50 + e suas vantagens

Agosto 22nd, 2019

Ser feliz com você mesma, por que não? Estava pensando que passamos muito tempo de nossas vidas esperando confirmações para as nossas existências, nossas atitudes e posicionamentos. Nos alegramos com os elogios, nos entristecemos, nos revoltamos com as críticas negativas. Eu sou apenas uma destas pessoas que se importam sim com as críticas negativas à minha pessoa, aos meus atos e me sinto sim feliz quando vivencio certo reconhecimento ao meu trabalho e calor humano. O que no fundo é apenas uma das características do ser humano. No entanto estou trabalhando no duro processo de me desapegar ao máximo das opiniões alheias e focar-me em reflexões baseadas apenas em opiniões sérias, fundamentadas. Uma grande vantagem que as décadas vividas nos propiciam é exatamente a sensibilidade para captar muito rápido uma intenção negativa no ambiente e aceitar imediatamente o jogo com a certeza de emplacar gols. Esta semana vivenciei várias situações assim, mas decepções quando trabalhadas em perspectivas positivas podem nos catapultar para contextos extremamentos positivos.

Me sinto sim feliz com as 50 décadas nas costas. Elas estão me fazendo um bem danado! E, quanto às críticas negativas só tenho que agradecer, afinal elas me lançaram na corrida contra as minhas próprias limitações!

Viva la vida!

Besos!

Ruf mich an! Por que mich e não mir?

Agosto 13th, 2019

I Parte:

Simplesmente porque os verbos em alemão exigem um determinado “caso”. Isso significa que se o objeto se apresenta na forma acusativa (Akkustiv), dativa (Dativ), nominativa (Nominativ) ou genitiva (Genitiv) depende do emprego do verbo na elaboração da frase.

Exemplos:

O verbo telefonar (anrufen) exige o caso acusativo – quem (Akkusativ – wen). Assim: Kannst Du, bitte mich anrufen?/ Você pode, por favor telefonar para mim?

Agora já o verbo agradar exige o caso dativo – a quem? (Dativ – wem). Assim: Deine neue Hose gefällt mir/ Sua nova calça me agrada.

Os verbos acusativos também são denominados transitivos. Outros exemplos: Comer (essen), ter (haben), ouvir (hören), comprar (kaufen), conhecer (kennen), amar (lieben), pintar (malen), gostar (mögen), pegar/tomar (nehmen), ver (sehen), escrever (schreiben), procurar (suchen), beber (trinken)…

Fonte: Deutsch perfekt – Ein Sprachmagazin der Zeit Gruppe

Por hoje é o bastante!

Beijos!

Gramática alemã

Julho 22nd, 2019

Um dias destes num dos muitos desvairios para escrever um protocolo de uma das reuniões de trabalho, descobri que existem algumas dicas que nos facilitam a determinar artigos dos substantivos alemães, afinal se você troca um “das” por “der” ou der por die, você automaticamente comete erros gramaticais intoleráveis. As terminações de palavras que indicam um “die” já são bem conhecidas, mas as indicações para o “das” e o “der” foram, ao menos para mim, uma nova descoberta, a qual me motivou a escrever um post, depois de meses. Ando, infelizmente, sem inspiração e tempo para me dedicar ao blog. Espero que este meu impulso, numa linda tarde de verão em terras gemânicas, poderá ser útil àqueles que se dedicam ao idioma alemão.

Dica 1: A maioria das palavras do gênero neutro, ou seja àquelas que exigem o artigo definido “das” são:

  • As cores (das Gelb, das Grün)
  • Palavras com os sufixos: chen (das Mädchen)/ment(das Departament)/ tum (das Datum)

Dica 2: A maioria das palavras do gênero masculino, ou seja àquelas que exigem o artigo definido “der” são:

  • Com datas: Der Dienstag, der Januar, der Frühling;
  • Também a maioria ralacionada ao tempo: Der Sturm, der Regen, der Schnee;
  • Bebidas: Das Bier, mas, der Wein, der Wodka, der Cocktail
  • Palavras terminadas com: ig ( Der Essig)/ ling (Der Flüchtling), en (Der Garten), ich (Der Teppich)

Dica 3: O gênero feminino e o artigo definido “die”:

  • A maioria das frutas, mas atenção: A maçã=Der Apfel
  • sufixos que nos mostram que provavelmente a palavra é do gênero feminino: Heit ( Die Schönheit)/ Schaft: (Die Freundschaft)/ Ei (die Polizei)/ Keit (Die Sauberkeit)/ Ung (Die Zeitung)/ Ion (Die Union)

Mais sobre o tema e outras abordagens gramaticais olhe para o www.deutsch.heute-lernen.de

Boa sorte e

tudo de bom!

Gesucht! (w/m/d) – Procura-se (f/m/d)

Junho 26th, 2019

Simples assim…

Olhando hoje um jornal semanal e anúncios de trabalho, embora não esteja atualmente procurando um emprego – Diga-se de passagem que com muito suor e stress tenho um – Observei ao lado dos mesmos as letras w (weiblich/feminino; m männlich/masculino) a letra d (drittes Geschlecht oder divers/ terceiro sexo ou diverso). Impregnada de notícias do Brasil me coloquei a pensar em quanto me sinto confortável em estar vivendo num país europeu e justamente porque aqui já (praticamente) superamos os preconceitos absurdos sobre a opção sexual das pessoas. Que hipocrisia é essa de se pensar que os heteros estão num patamar superior às pessoas que por motivos biológicos, sociais ou estritamente pessoais se interessam, admiram, se relacionam intimamente com pessoas do mesmo sexo ou sei lá ? Me admiro muito sobre o porquê as pessoas encontram tempo e motivação para julgarem o comportamento das outras pessaos, enquanto há tanto para aprender, conhecer, realizar, aprimorar-se como pessoa, como família, como profissional? O absurdo dos preconceitos tem me incomodado muito nos últimos tempos e por isso resolvi escrever abertamente como uma forma de tentar me solidariezar com as pessoas que sofrem diariamente qualquer tipo de discriminação. Me pego pensando em o quanto nada somos para termos a mísera ilusão de “superioridade” por sermos heteros, brancos/ mestiços, termos frequentado os bancos escolares. No fundo somos apenas essência, energia. Esqueçamos de tudo o mais e, sim, que sejamos capazes de nos apaixonar e nos dedicar (ou tentar) aos seres vivos deste planeta.

Beijos.

Ps. A propósito na foto estou eu e não com uma namorada, mas sim com uma linda profi cabeleleira, a qual me atendeu numas das praias do Quênia – Na maravilhosa Mama África!

“Toda forma de amor valerá”!

Junho 4th, 2019

É dia de festa sim! Hoje se comemora 50 anos de luta contra os preconceitos relacionados às diferentes formas de realização integral do ser humano em suas formas múltiplas de ser, querer, desejar, estar de bem consigo mesmo e com o universo. “Não julgues para não seres julgado”. Seja feliz assim com as suas próprias opções e deixe os seus semelhantes serem felizes de acordo com as respectivas opções. O universo precisa de pessoas resolvidas e otimistas. A minha admiração para você que diariamente trabalha em prol de almas e não conveniências!

Beijos.

Carta aberta à Tábata Amaral

Maio 5th, 2019
 

Sim, estou muito preocupada com os rumos que a Educação está tomando no Brasil. Embora viva há muitos anos na Alemanha sempre estive conectada, inclusive politicamente, com o Brasil. Acho muito triste o retrocesso, no qual o nosso lindo “verde e amarelo, branco, azul, anil” Brasil já está mergulhado… Acredito que desde o impeachment de Dilma Rousseff. Eu não sou PT, mas votei em Lula e em Dilma (1° Mandato) em Frankfut, pois acreditava que o Brasil necessitava ventilação, com urgência, no seu sistema sócio-econômico e político. Vivenciei com entusiasmo a libertação do país das garras do FMI (Inacreditável) e de uma janela em terras germânicas, observei o Mundo admirando um Brasil que caminhava a passos largos para um processo de erradicação da miséria e da ignorância. Infelizmente o PT se perdeu… As lideranças também se corromperam ou não se fortaleceram o suficiente para não caírem na velha e mordaz máquina de privilégios, representada pelo poder político no mundo e no Brasil. É realmente lamentável que o povo não pôde (nem poderia) – num espaço de tempo tão curto – assegurar a sua capacidade de raciocinar na luta pelos seus direitos enquanto “pessoa/gente” e “cidadão” de um país com tanto potencial quando o Brasil. Assim a velha, retrógrada, larápia e infâmia política, aproveitando dos erros dos governos anteriores, está de volta ao poder no Brasil. E me assusta o quão a passos largos tenta impor as regras de domínio da classe elitizada à um povo sem acesso à Educação (pensamento crítico/embasamento histórico-sócio-econômico), à saúde, até mesmo à vida, já que prega a liberação de armas (Lobismo) ao invés da implantação de projetos sociais. Hoje estava assistindo uma entrevista sua pelo youtube e pensei na maravilha que seria poder apoiá-la na sua juventude, competência, leveza e sobretudo na sua coragem de se envolver neste velho jogo sujo que se chama política. Eu a admiro por isso e por favor não perca a sua essência e a consciência de suas origens, pois são elas que mantêm a sua autenticidade e a tornam um raio de luz neste mundo atual de obscuridade, num país que já foi habitado por gente tão alegre e, justamente por sua alegria e resilência admirada no mundo inteiro.

Desculpe-me pela intimidade do “você”.

Grande abraço e muita força para a luta contra os dragões da ignorância e da ganância.

Ótima semana de trabalho para todos nós!

Beijos


Filosofando

Abril 5th, 2019

Não tente fugir.

A vida é sim composta de problemas

e soluções.

É sim uma sucessão de recomeços.

Não se iluda que pode ser diferente.


NN

Mulher: No Mundo do Trabalho…

Março 7th, 2019

“Sonhadores não podem ser domados. Sonhos não estão à venda”.

Ei chefe, isso é meu!
Muitas mulheres são muito modestas quanto ao se refere às suas qualidades. Por quê?

Sempre tem este ou àquele colega que posta regularmente no Face, Instagram ou Twitter super elogios às reuniōes de trabalho. Muitas vezes se pensa “Puxa-saco” ou “Convencido/a”! No entanto é bem provável que os/as chefes fiquem satisfeitos com esta reaçāo positiva do/a funcionário/a. As mulheres conversam 20 vezes mais sobre supostas deficiências do que os homens, descobre, a partir de pesquisas, o  consultor de empresas McKinsey. “Elas pensam que estão se vangloriando quando conversam sobre suas qualidades e objetivos”, ressalta Cordula Nussbaum: Karriere-coach. De preferência, elas aguardam que os chefes “as descubram”. A realidade: Em 30% dos casos, as posições são ocupadas através de contatos pessoais – segundo Nussbaum. Ou seja, torne-se visível!

Vamos destacar 7 dicas para mais reconhecimento feminino no mundo complexo do Trabalho.

    1. Lá, eu quero chegar! Diariamente, no trabalho, temos que comprovar a nossa capacidade, porém o mais importante para se avançar na carreira é deixar claro aonde você pretende chegar, afirma Nussbaum.
    2. O que eu posso, o que eu não posso? Quando temos o nosso objetivo definido, precisamos estar cientes dos nossos pontos  fortes e também de nossas fragilidades.
    3. Sete pontos -de -contato: Uma velha  sabedoria no mundo do Marketing/Negócios: Precisamos de 7 pontos positivos de contato antes de obtermos  confiança. Ou seja, é aconselhável buscar diferentes maneiras de se “tornar visível” para chefes ou clientes:  a reunião de trabalho, a apresentação de um projeto, o conhecimento sobre o assunto a ser tratado, as conversas informais com os chefes, etc. Ou seja você precisa ter vários canais positivos de comunicação.
    4. “Eu” ao invés de “Nós”: Principalmente as mulheres dizem “nós” administramos muito bem o projeto. Isto é algo simpático e as aproximam das pessoas. No entanto é evidente que a liderança na concretização das propostas fica empalidecida. Assim,  a própria atuação para o sucesso do projeto deve ser diplomaticamente esclarecida. É também mais confortável para os chefes obterem informações claras e precisas.
    5. Redes Socias: Banalidades no Facebook não são realmente necessárias, mas informações concisas e  profissionais em plataformas como Linkedin, Xing ou Intranet podem contar pontos positivos para a carreira.
    6. Seja precisa: A atenςão das pessoas é curta. No mundo profissional frequentemente sua duração é de apenas dois minuntos, segundo Nussbaum. Assim, em apresentações, conferências, etc, seja objetiva. Eficiência gera simpatia!
    7. Tudo isso foi eu: Antes de compromissos importantes compensa dar uma lustrada no próprio ego. Pense nas suas realizações dos últimos meses. Pense em pessoas que você admira e descubra o como   suas qualidades se sobressaem. E você? Como pode convencer-se e convencer seus chefes sobre o seu potencial? Que você o possui, estou certa!

Tudo de bom! ♥

Beijos!

Tradução livre: Artigo Hey.Chef. Das ist von mir! Carola Kleinschmidt, Brigitte N° 4/2019

Reflexão

Março 4th, 2019

Nossa capacidade ou incapacidade de interação conosco mesmos, com as pessoas que nos cercam (independente de credo, posicionamento político, cor ou talento),está irremediavelmente intrínseca à nossa própria personalidade, biografia, aos nossos valores e nossa capacidade de interação com estes mundos individualizados e as pessoas que os habitam.

Linda semana!

Beijos!♥

 

A síndrome do ninho (não) vazio

Março 2nd, 2019

Um portrait de outros tempos.

Reclamações de uma mãe:

Estava pensando sobre a expressão “A síndrome do ninho vazio”. Razões não me faltam. Minhas filhas se mostram, apesar da pouca idade, tão independentes e seguras de si. Sei que tenho que me orgulhar deste fato, afinal o nosso objetivo enquanto mãe/pais é justamente preparar os filhos para a vida, já que como, acertadamente,  disse Gibran: “Os nossos filhos não são nossos filhos, mas sim filhos da vida.” No entanto o sentimento de apego e saudade do ninho ocupado me assalta frequentemente. Procurei ler sobre o assunto e conclui que todas as dicas que se encontram para  se superar esta síndrome, na verdade, já segui a risca. Prevendo esta doença e outras consequências adjacentes voltei para a escola e me dedico à uma nova profissão ou seja eu trabalho de verdade e não “apenas” em casa. Além de que tenho Hobbys, vou para a academia no mínimo uma vez por semana e encontro amigas. Então eu me pergunto o porquê da síndrome e resolvi dar uma reclamada sim e totalmente indiscreta, via blog mesmo. Sim, já fui mais indiscreta e escrevi muito sobre minha vida privada, mas nos últimos anos estive bem cuidadosa, afinal o mundo on-line está muito pervertido desde que se inventou e se propagou as chamadas “fake news” ou notícias falsas, realmente se leva algumas horas para se constatar a veracidade de uma notícia, um comentário, um ponto de vista. No princípio desta onda horrorosa de notícias falsas que circulam pelo mundo tão rápido como um “raio”, em função do acesso quase que generalizado à Internet, eu me senti meio que paralizada, depois atônica, nos últimos meses procuro acreditar que este fenômeno está propiciando oportunidades para as pessoas para aguçarem sua capacidade crítica ao se depararem com qualquer nova informação sobre os mais diferentes acontecimentos ao redor do mundo. Contudo, o fato é que numa era de proximidade entre os povos, nunca se esteve tão distante das pessoas, suas verdades, seus sonhos, seus medos e princípios. Eu, por minha vez procuro não me deixar varrer pelo avalanche de novidades, no qual  a cada segundo o mundo virtual tenta me arremessar , afinal minha caminhada no mundo real é mais significativa e para mim ainda o que conta são as veracidades, as batalhas individuais de todos nós e atualmente para ser sincera entre outras dores, sinto as dores do ninho (ainda não totalmente) vazio e não vejo ainda qualquer alternativa para as mesmas, a não ser aceitá-las e arranjar-me com elas. Como se pode amar tanto mais as próprias extensões do que a si mesma? Alguém conhece uma solução prática?

Beijos!

Lindo do domingo, com carnaval ou não!