“Novas em folha”!

"... nao tenho tempo a perder, só quero saber o que pode dar certo..."

Confesso que com certa dor na consciência aqui estou eu, disposta a compartilhar algumas experiências que acumulei nos últimos dias. A tarde está linda e há bastante trabalho no jardim, inclusive o corte de metade da grama que deixei para trás desde a última quinta-feira, quando o fim da tarde chegou rápido demais e eu nao terminei o que havia comecado pela manha. Hoje a minha motivacao para terminar o servico comecado está em níveis negativos… estou me sentindo muito cansada pelo fim de semana super desportivo que vivenciei e pela gripe do feno, ou me expressando melhor: o inferno do pólen. Nunca me senti tao sensível ao pólen, nos últimos anos o feno e a grama representavam o grande desafio para o meu sistema imunológico, este ano porém o pólen tem ocupado também o equipamento de resistência do meu corpo… deve ser a idade! (Para o meu desespero!!!). Contudo, esta historinha de alergia nao é nada importante, em outros tempos eu diria que  – tudo isso é pura “frescura”. O que é importante mesmo e o que me tocou profundamente nos últimos dias e me alienou completamente dos acontecimentos externos – nacionais ou internacionais, foram os seguintes:

  • Com a minha terceira aula de corte e costura pude terminar a leggings que havia planejado confeccionar para Vic. Ela gostou tanto da calca que nao a tira mais do corpo e informa todo mundo com muito orgulho que foi sua própria mae que a costurou “ponta a ponta” – Selbstgemacht: a expressao ideal para tais realizaoes e que os alemaes amam e admiram muito!
  • A visita da classe da Vic aqui em Mermuth – a professora planejou um passeio pela nossa vila, a qual se localiza ca de 1 km da escola. Logicamente vindo a Mermuth eu nao poderia deixar de convidá-los para uma pausa aqui comigo. Preparei “metade” do jardim, coloquei a mesa, a decorei com carinho com flores do nosso jardim e ali servi um  bolo de cerejas e outro de queijo (uma certa variacao é fundamental) além de café, água e sucos para a professora, outras 5 ou 6 maes que acompanhavam a turma e claro as 21 criancas que compoem a classe da Vic. Logicamente o stress no dia anterior e na manha antes da chegada das minhas lindas, grandes e pequenas visitas. Porém como já tive experiências semelhantes anteriores, a visita foi um sucesso, os adultos foram para o parque da vila com um sorriso nos lábios, resultado da satisfacao por terem sido tao bem recebidos no nosso jardim – com certeza nunca ouviram falar na “hospitalidade mineira”. Inescritível  foi ver e sentir a alegria das criancas por experimentarem novidades, brincarem com a nossa pequena tartaruga e por fim ainda serem surpreendidos com o convite para tomarem sorvete. Eu fiquei feliz, sobretudo com a alegria de Vic, que se sentia a própria princesa nos seus domínios privados. Por último ainda pude ampliar o meu vocabulário aprendendo com Benjamin que “Bude”, significa Wohnung – apartamento.
  • A alegria pela visita de tantas criancas lindas e amáveis e a sensacao de leveza por ter superado a ansiedade em receber tantos convidados durou apenas algumas horas, pois no fim da tarde deste mesmo dia eu estaria enfrentando outro desafio, desta vez totalmente desconhecido – o primeiro módulo  do meu curso de capacitacao para coordenar atividades esportivas. Sobre o qual vou escrever um outro post. Posso adiantar, no entanto, que estou fisicamente “quebrada”, porém psicologicamente mais inteira que antes e com a leve sensacao de que “tudo pode dar certo”.

Beijos.

Tags: , , , ,

6 Responses to ““Novas em folha”!”

  1. Regina diz:

    Querida Neusa
    que bom que vc acabou o legging! Eu estou aqui sofrendo com meu macacao… Tá animada prá aula de amanha? Eu nao muito, vou ter que levar a Aline comigo, vamos ver no que vai dar! Gracas à Deus nao tenho problemas graves nessa época, a nao ser o desgosto de ver todas as janelas com um pó amarelo, isso quando você acaba de limpar… Já comecaram as aulas em Koblenz? Me conta, quero saber! Bj

  2. Neusa diz:

    Oi Re, que jóia receber a sua visita e sobretudo um comentário… você, sempre tao reservada! A rainha da discricao, messssmo!
    Estou animada sim com a nossa sessao corte-costura, etc… tenho muito o que fazer por lá. Quanto às aulas de Koblenz – estou gostando muito sim, o problema é só a canseira e o “saco” de chegar em casa e encontrar “quase” tudo por fazer… você conhece este bem este drama, né?
    Grande abraco e nos vemos. Quanto a Aline pode contar comigo para o colinho da titia Neusa.

  3. Mi diz:

    Ola Neusa, que legal descobrir o seu blog! E o titulo me deixou curiosa…em que cidade vc viveu da alemanha socialista? =) há quanto tempo vc esta aqui na Alemanha? Há mais de 20 anos entao né? Eu morei 8 anos em Leipzig e a familia do meu marido é de lá. adoramos a cidade e tem todo um charme da antiga rep. socialista. ;) bjs!

  4. Neusa diz:

    Oi Mi, fiquei muito feliz em receber a sua visita! Volte sempre… visitei o seu blog também e achei tudo muito interessante! Eu vivo na Alemanha há quase onze anos. Quanto a Alemanha oriental só, infelizmente, pude até o momento visitar Berlim. Eu escrevi o livro apartir das minhas conversas com pessoas que moraram lá e vieram para o lado ocidental após a queda do muro… bem, com execessao de duas testemunhas que vieram muito antes porque fugiram… Eu tenho muito interesse pelo assunto e pelos depoimentos das pessoas que viveram na Alemanha de outros tempos. Estou em busca de testemunhas que sobreviveram à 2a Guerra Mundial. Tenho muita vontade de escrever um 2° pequeno livro.
    Escreva-me mais sobre a sua vida. Entendi bem? Você espera um bebê? Se você quiser podemos trocar e-mails e experiências.
    Abraco e tudo de bom!

  5. Claudia Dannemann diz:

    Oi Neusa, prazer em conhecê-la! Fiquei sabendo do seu livro através do blog da Mel, Na Alemanha tem. Nem sabia que você o tinha lançado (que desinformaçao da minha parte!). Estou concorrendo no concurso pra ganhar um exemplar, se nao ganhar te contato pra comprar um, tá? Eu sou amiga da Sandra Santos, inclusive escrevi o prefácio do livro dela. Tem mais um livro de uma brasileira que eu curti muito ler: Nur die Edelsteine kommen aus Brasilien: Brasilianer in Deutschland, da Adriana Nunes (vende na Aamazon). É mais antigo mas recomendo. Sao relatos de brasileiros que ela entrevistou, alguns muito importantes na cultura e outras áreas, outros vivendo ilegalmente por aqui.

    Eu praticamente vi o muro cair. Estava por aqui em 1989, voltei pro Brasil e voltei de novo em 1991. Já visitei muitas cidades do lado leste em diferentes épocas. No começo tudo era meio destruído e precário, mas hoje em dia é tudo high tech, se bobear melhor do que pra esse lado de cá.

    Vi que você mora no Hünsrück, é lindo mas meio perdido, né? Moro na pontinha do estado de Hessen, de frente pra Mainz. Minha cidade se chama Ginsheim.

    Abraço,
    Claudia

  6. Neusa diz:

    Oi Claudia, tudo bem? É um grande prazer receber a sua visita. E muito gentil da sua parte escrever para mim. A Sandra me escreveu sobre o tremendo apoio que recebeu de sua parte antes e ao lancar o seu livro, o qual-claro- já li de ponta a ponta. Achei muito legal o seu prefácio. Gosto muito da Sandra, nao só pelo incentivo enorme que recebi da parte dela para lancar o meu livrinho, mas também porque ela é uma pessoa muito generosa com todas as pessoas.
    Moro sim perdida em Hunsrück, entre o Mosel e Reno. Nao fica muito longe de você… venha me visitar quando vier para estas bandas. Quanto ao sorteio, estou torcendo por você!
    Beijos e tudo de bom!

Leave a Reply

*