Puberdade=pais a prova

"Como abracar um Cacto?"

Com o comeco da puberdade os pais, com frequência, nao reconhecem mais os seus próprios filhotes. A doce proximidade da infância transforma-se em distância “aborrecente”. Aqui em casa, para a minha sorte, ainda nao estamos na fase aguda desta fase da vida das criancas, porém os indícios da mesma já sao bastante visíveis e penetrantes, por isso mesmo venho me preparando psicologicamente para ter uma chance de dancar mais ou menos conforme os rítmos malucos dos hormônios da minha filha pré-aborrecente e os meus próprios, os quais também sao colocados ao menos uma vez a cada mês (penso, esta é uma característica generalizada entre nós do sexo feminino)  em movimentos parecidos com os  de uma montanha russa, o que sem dúvida pode dificultar um pouco  a  convivência harmônica da família. No entanto quando somos capazes de compreender um pouquinho os nossos sentimentos e o porquê estamos tao sensíveis, carentes ou irritadas – podemos logicamente amenizar certos conflitos conoscos mesmas e com as pessoas que convivem conosco. Assim na esperanca de poder entender as mudancas de comportamento e postura da minha filhota “pré-aborrecente” tenho tido muito interesse no assunto – puberdade –  procuro ouvir com atencao a experiência de outras maes e ler artigos sobre o tema. Eu sei que nao há nenhuma resposta pronta ou manual de instrucoes para se evitar os conflitos normais que sao pertinentes à fase. No entanto, pensando que dicas de especialistas nos ajudam a lidar com certas situacoes, eu resolvi compartilhar com vocês  algumas informacoes que obtive lendo o caderno Leben/ Rhein-Hunsrück-Zeitung (n° 42). Resumindo em pontos concisos –  estes sao alguns  esclarecimentos que obtive e outros que reforcei  em relacao ao tema:

  • Nesta fase temos a impressao que nao conhecemos mais os nossos próprios filhos tamanha a mudanca que se opera nas criancas. Quase nao reconhecemos mais seus gostos, valores e prioridades;
  • As criancas em fase de puberdade colocam tudo e todos a prova, principalmente os próprios pais;
  • A puberdade coloca a “vida interior” da crianca em tormenta;
  • Entre o caos produzido pelas mudancas causadas pelos surtos hormonais, alteracoes do cérebro e  o esforco espendido para crescer/ tornar-se independente – as criancas perdem o controle sobre si mesmas;
  • Elas tomam atitudes incompreensíveis para os pais (os quais também nao sao realmente obrigados a entender). Isto é o indício que necessitam se firmarem em suas prórprias personalidades e para isso precisam  estabelecer e obter reconhecimento de suas fronteiras – em relacao aos pais (principalmente);
  • Os pais devem respeitar  a esfera de privacidade e o certo “distanciamento” que por vezes os filhos buscam – nao enervar com mil perguntas/questionamentos;
  • É normal e saudável a preocupacao dos pais para com os filhos, queremos estar informados sobre o desempenho na escola, relacionamentos com amigos, etc – por isso temos que cuidar para que o nosso contato com eles nao se rompa, mesmo depois de uma briga ou grande discussao;
  • Mesmo sendo/estando, muitas vezes, extremamente hostis –  os adolescentes, no fundo, querem e necessitam que os pais estejam interessados por eles. No entanto, simplesmente cravejá-los de perguntas nao demonstra realmente interesse, senao cobranca;
  • Os pais podem demonstrar  sincero interesse pelos seus “Cactos”, por exemplo, sentando-se em um canto da cama e puxando uma conversa com ele, perguntando como ele se sente… a diferenca entre o real interesse e perguntas enervantes/vazias é muito fácil de ser identificada;
  • Por último, valem ainda para nós pais, as seguintes dicas:
  1. Tentar nao se deixar provocar;
  2. Nao falar como tagarela (blá.. blá…blá… blá) na cabeca das criancas;
  3. Evitar ao extremo  insinuacoes e confrontacoes.

Bem, munidos de certa fundamentacao teórica –  só me resta desejar a todos nós muita paciência e sorte!

Beijos.

Tags: , , , , ,

2 Responses to “Puberdade=pais a prova”

  1. renata diz:

    Nossa tudo isso que vc escreveu caiu como uma luva sobre o q eu estou passando, minha filha tem 11 anos e parece q esta passando por um terremoto dentro dela ( rsrs ) tem dias em q é uma doce menina e tem diaas q é uma total aborrecente!!!!!!!!!!!!! nossa espero q isso tudo passse logo.. beijosssssssssss obrigada pela ajuda

  2. Neusa diz:

    Oi Renata, fiquei feliz por receber sua visita e ler um comentário seu. É muito bom saber que de certa forma meu post te ajudou… este é realmente o meu objetivo ao escrever: me ajudar, colocando “no papel” o que passa pela minha cabeca e ajudar outras pessoas que podem estar vivenciando experiências parecidas com as minhas. Tenho duas filhas, ainda nao entraram na fase “aborrecente”, mas estou me preparando para ela, pois sei que nesta fase os nossos nervos e paciência sao colocados com muita freqência à provas.
    Grande abraco e tudo de bom!
    Me visite sempre, vou gostar!

Leave a Reply

*