Posts Tagged ‘Cotidiano’

Fugindo para o Sul…

Segunda-feira, Outubro 17th, 2011

Aufwiedersehen - até a vista!

Nova semana, novas preocupaςões, nova estaςão de ano, velhos problemas. Me concedo a liberdade de escrever apenas sobre a nova estaςão do ano, pois o resto não me motiva a nada no momento.

Pois bem, estamos em plena estaςão dourada do ano. Temos tido sorte de poder contar com a presenςa sensacional do sol, o típico sol alemão – gelado! Há três dias ao observar  o nascer do sol pude perceber, claramente, que não estava sozinha caminhando pelas ruas geladas de Mermuth. Eu observei que a algumas dezenas de metros acima da minha cabeςa, o céu estava  repleto de gansos.    O ruído que eles fazem quando partem   nos avisam que é hora de ir embora pois o inverno está chegando. Todos os anos o fenômeno me atrai e desperta em mim diferentes sentimentos: nostalgia, medo, saudade, expectativa de um bom inverno – muito frio, com neve e sol ao invés de muita chuva, chuva misturada a gelo, vento, furacões e sei lá mais o que pode nos surpreender nos próximos meses. No entanto tenho que admitir que o sentimento de inveja que sinto das aves migrantes me invade também com bastante intensidade… eu queria também ir para o sul. Quando observo os bandos voando com desiςão inabalável para longe daqui, eu gostaria de pertencer à eles… Rapidinho caio na real… que nada!  Aqui estou eu fixada à terra, aos compromissos, à vida da minha família. Acabo me adaptando ao frio, ao gelo e tentando me alegrar com a alegria das crianςas com a chegada da primeira neve e sobretudo com as luzes de natal. Enraizada à terra, tenho tratado de pensar prático e organizar novos pulovares, jaquetas, sapatos impermeáveis, meias, chales, gorros e tudo mais para Laura e Vic suportarem mais um inverno sem o risco de pegarem uma pneumonia. Pensando também prático motivei meu príncipe no sábado para trocarmos os pneus dos carros. Meio que empurrado por mim, lá estávamos na tarde ensolarada de sábado, equipando os nossos desgastados meios de transporte para a próxima estaςão do ano. Não adianta se iludir (pensei com os meus botões: o verão que nem chegou não vai estar, em poucas semanas, de volta).

Bem, na verdade eu gostaria de compartilhar com vocês o que li sobre as aves migratórias. O texto veio a calhar com os meus sentimentos e me esclareceu algo mais sobre estas aves tão especiais.

Desculpem-me, mas tenho que adiar a traduςão, pois recebi visita e agora não tenho mais tempo… pena!

Beijos e linda semana!

Conflitos em 4 paredes

Quinta-feira, Agosto 18th, 2011

Coloque a boca no trambone, se for necessário.

Ontem pela manha me deparei com vários temas bastante interessantes no caderno “Leben” do jornal regional. O título do texto principal – “Vom Streit der Eltern lernt das Kind”/ A crianca aprende com a briga dos pais – me chamou especialmente a atencao, afinal quem está livre de uma boa briga com o/a parceiro? Quem pode dizer que todos os dias sao só de flores? Nao, infelizmente nem todos os dias sao de flores. Os conflitos fazem parte de qualquer relacao e algumas vezes nao conseguimos resolvê-los tao diplomaticamente quanto gostaríamos. Nao é nada agradável quando temos que alterar o volume do nosso tom normal de conversa para nos fazermos entender ou impormos o nosso ponto de vista – envolve uma perda enorme de energia e abala tremendamente o sistema nervoso. No entanto sabemos faz tempo que “felizes para sempre” nao existe. Agora como tratar das nossas diferencas íntimas ou nao quando a relacao também é composta por criancas? Como nao envolvê-las nas discórdias conjugais? É possível isso? Como? Quando? Devemos realmente poupá-las dos conflitos?

Penso que os pais, em sua grande maioria, gostariam sim de manter os filhos afastados daquelas situacoes onde parece que “a casa vai cair” – o que é absolutamente correto. Porém fingir para as criancas que tudo transcorre 100% todos os dias seria humanamente impossível além do que nao estaríamos preparando nossos filhos para a vida. As rusgas fazem parte de todas as relacoes, inclusive entre os pais. O desafio é como chegarmos aos acordos entre as partes. Resolver conflitos é um aprendizado e como todo aprendizado é um processo, exigindo assim tempo, perseveranca, erros e acertos. Este aprendizado tao importante para a vida e que faz parte do “ser competente socialmente” adquire-se, como todos os outros, inicialmente em casa com os pais e irmaos. Mas como transformar um conflito e tudo o que ele representa:  desgaste, tristeza, lágrimas – em algo positivo para os filhos?

Alguns aspectos que devemos ter muito claro para nós mesmos:

  • O conflito deve ser tratado em alto nível – nao pertencem em hipótese alguma à orelhas das criancas: palavroes, falta de dinheiro, separacao, intimidades. Quando uma escalacao é evidente deve-se aguardar a saída das criancas para a escola ou para um passeio;
  • Tudo o que se relaciona à uma relacao entre casais uma crianca só terá condicoes de entender quando ela mesma tiver vivenciando uma relacao;
  • É tabu também transformar a crianca em mensageira. “fala pro seu pai….”  “fala prá sua mae…”
  • Muito importante: esclarecer para a crianca que há amor na relacao, porém no momento há entre os pais uma tremenda divergência de opiniao e exatamente isto está causando discussoes e problemas, mas o empenho na busca de solucoes é grande por ambas as partes;
  • Mais importante ainda para a crianca é ser envolvida no momento da reconciliacao. É fundamental para a crianca sentir e saber que a tempestade passou ao menos temporariamente.

Eu sei que nada é tao simples quanto ler um texto. No entanto penso que saber um pouco mais sobre como se comportar em situacoes difícieis pode melhorar a nossa qualidade de vida e proporcionar uma vida mais harmoniosa em família. Nao resolve se fingirmos que nada está nos incomodando para evitar um “quebra-pau”. Precisamos sim algumas vezes expor os nossos sentimentos de descontentamento e dor, afinal quem está livre deles?

Beijos.

Fonte: Rhein-Zeitung n° 189

Amélia… que era mulher de verdade?

Terça-feira, Maio 3rd, 2011

Novos detalhes do cotidiano

Nochmal… eu de novo com uma música na cabeca! Linda por sinal, quem já nao cantou e dancou Adoniran Barbosa? Penso que escrevo o nome desta celebridade errado! (Scheiße!) – nao sei como se escreve, mas tenho quase certeza que da composicao, ao menos todos nós brasileiros, nos lembramos. O rítmo e a nostalgia que envolvem a música é maravilhoso, mas convenhamos que a letra é uma afronta a nós “mulheres antecipadas”. Me peguei pensando agora mesmo sobre o que fazer:

  • Estender a roupa que se encontra na máquina de lavar desde 2 da tarde;
  • Guardar a louca que está limpa e espera ser guardada no armário  desde 3;
  • Terminar de passar a montanha de roupa que comecei ontem;
  • Lavar a sacada para aproveitar os últimos raios de sol e poder lá fora fazer um churrasquinho no fim de semana;
  • Plantar os gerânios que comprei hoje pela manha;
  • Ler as última notícias;
  • Escrever um post.

A minha opcao foi logicamente escrever um post e aqui estou eu. Tudo o mais que uma “ótima Amélia” já teria feito com perfeicao está a espera… preciso compartilhar com vocês que odeio me sentir uma “Amélia” e por pura rebeldia estou ao Lap Top escrevendo o que me inspira – lavando a alma. Tenho que admitir, no entanto, que espero que meu marido nao leia este post. Ele viajou para a Áustria após ter trabalhado horas no nosso último projeto: transformar a nossa sala de estar – das Wohnzimmer – em um “Lounge”. Ele me disse outro dia destes: “Wir haben nicht mehr ein Wohnzimmer, sondern ein Lounge” ou seja: nós nao temos mais uma sala de estar, senao um “Lounge”. Eu, um pouco assustada:

-Ah????

Ele me explicou:

_Um lugar para se relaxar!

Eu sorri apenas e pensei cá com os meus botoes: “Denglisch” também por aqui… só me faltava esta!

Denglisch é uma mistura terrível que os alemaes fazem entre inglês e alemao – o que me confunde ainda mais. Eu no auge do meu desespero com a nossa reforma, as minhas aulas em Koblenz, o caos que reinava no restante do apartamento, o jardim se transformando numa mata fechada e as janelas e tudo o mais cobertos de pólen –  tendo ainda que decifrar o significado de “Lounge” – eu estive para morrer… nao achei muito engracado…

Agora no entanto, posso me rebelar com os teclados – estou sozinha na minha cozinha, Laura e Vic estao dormindo, Jörg fazendo jogging (que palavra é esta?) as margens de um lago no norte da Áustria para relaxar e todo o trabalho doméstico está tranquilo a minha espera. Decidi que vou tomar uma taca de Rioja e ver um programa de televisao que nao me deixa pensar, preciso me sentir  como uma “Amélia que era mulher de verdade…”

Beijos e ótima noite!

Preciso ainda me rebelar questionando o assassinato de Bin Laden, que por isto mesmo está se tornando um mártir no Paquistao e da provável santificacao do Papa Joao Paulo II – Pode-se entender isto? Mais dramático que “Denglisch”.

Escola/Esperanca/Frustracao

Segunda-feira, Abril 4th, 2011

Viver é preciso, sonhar é necessário.

Mais um fim de semana tao desejado e esperado se foi de novo… esperávamos realmente com muito entusiamo o sábado, pois a previsao metereológica era a das mais otimistas dos últimos tempos – muito sol e temperatura acima de 20° – “ideales Wetter”/ tempo ideal – expressao  estranha para nós brasileiros, mas na verdade ela caracteriza perfeitamente “o tempo” num dia assim tao lindo, com a natureza toda vibrando com o desabochar das flores, o renascimento das folhas e prados, a volta dos pássaros. A natureza era um convite só para longos passeios a pé  ou de bicicleta e um ótimo “piquiniqui” para o descanso, o relaxamento, a curticao de um bom e raro momento com o sol envolvendo o corpo num calor gostoso e saudável.

Pena que eu estou apenas sonhando agora com o que eu poderia ter feito no sábado lindo de céu azul de ponta-a- ponta. Eu estava tao preocupada com as atividades normais do dia que acabei adiando, sem pensar, o passeio e o “piquiniqui” para o domingo – um dia nublado, frio e chuvoso… toll!!! Eu ainda nao aprendi que quando temos tempo bom aqui devemos realmente aproveitar, pois nao se sabe se o próximo será ao menos 50% tao favorável!

Hoje é segunda, está frio e chuvoso – nao tem mais importancia, pois  as criancas foram para a escola, Jörg foi trabalhar e eu posso escrever um novo post. Nao gostaria de continuar reclamando sobre o tempo. Reclamar um pouco faz parte, mas eu gostaria de compartilhar também que passei cerca de 2 horas ontem costurando e colando novos cabelos na “Klara”, a mascote do projeto “Klasse 2000” – sobre o qual já escrevi dois posts. Esta foi a tarefa que Vic trouxe para mim na sexta. Ao chegar em casa foi logo me avisando que eu também teria tarefa de fim-de-semana e me mostrou orgulhosa a bolinha de isopor amarela de sorriso largo, olhos grandes e umas poucas mexas de cabelos ondulados. Eu sinceramente nao fiquei muito feliz com a informacao de que teria também uma tarefa de casa, pois já tenho tantas!!!! No entanto, prometi para minha filha que no domingo me ocuparia de “Klara”. Assim ontem entre o café da manha e o almoco eu estava costurando, a mao, o minúsculo vestido vermelho de Klara, e para dar um acabamento melhor preguei umas micangas. Estando satisfeita com o vestido de Klara resolvi colar mais cabelos na cabeca de Klara, ai entao senti o drama da tarefa, aí eu fiquei com muita raiva da professora, da Klara, da Vic e de mim mesma por ter comecado àquela missao impossível. Eu nao conseguia colar os cabelos, Klara estava mais careca do que antes. No fim acabei apelando para  a “Super-Bonder” e o resultado foram cabelos brancos na parte superior da cabeca. A saída foi um lencinho amarrado bem apertado e um rabinho. Por fim  “Klara” estava linda e elegante!

Hoje, Vic  satisfeita com o meu desempenho final, colocou a Klara na bolsa e foi para a escola, com certeza pensando na pausa e na partida de futebol com os coleguinhas. Seu hobby principal nos últimos tempos é jogar futebol. Nao sei se acho a ideia boa ou má. Lutando contra os meus próprios preconceitos – menina brinca com bonecas e meninos com carrinhos e bola – tenho apoiado Vic na sua paixao por futebol e hoje vou levá-la para mais um treino… que os anjos protejam as suas canelinhas…

Nao posso me perder e deixar de registrar também que apesar de todas as cobrancas extras ou nao da escola, fiquei muito feliz  por minhas filhas e muito contrariada por todas as criancas, ao ler em nota do jornal local que muitas criancas que vivem nos países de terceiro mundo  nao tem, ainda, a oportunidade de frequentarem a escola. É alarmente e vexaminoso o fato de que a meta tracada pela UNESCO de que até 2015 todas as criancas do mundo estariam frequentando, ao menos a escola primária, nao será atingida! Os problemas mais graves se evidenciam nos países africanos, entre outras questoes, principalmente por causa das guerras civis. Em funcao dos combates escolas sao destruídas, as criancas nao podem sair de suas casas para frequentarem as escolas – os tiros cruzados sao muito perigosos. Além do que muitos meninos sem ao menos terem aprendido corretamente a ler e escrever sao recrutados para a guerra, passam a manejar armas de fogo ao invés do lápis ou caneta.

Pensando nestas criancas eu nao tenho absolutamente nada sobre o que reclamar do céu cinza ou das tarefas da escola das minhas filhas – o mundo aqui está em ordem! Eu amo “klara” e seus cabelos longos.

Beijos e boa semana.

A ilustracao do texto se refere à última “obra” de Vic e a informacao sobre a Meta-Unesco: Rhein-Hunsrück-Zeitung n°54

Gripe – Febre – Feno

Quarta-feira, Fevereiro 16th, 2011

Primavera - com ou sem a gripe do feno - linda!

Sao ainda 8.30 da manha, porém nos últimos dias nesta altura da manha já me sinto cansada. As últimas semanas foram de bastante entusiasmo com as novidades: uma perspectiva interessante de trabalho, a reforma da nossa sala de estar, o entusiasmo das criancas com as roupas e a coreografia para o carnaval, a mudanca do inquilino, certa calma no norte da África, dias sem neve e gelo (enfim!). No entanto nem tudo sao flores – embora possamos observar que os narcisos e tulipas despontam lindamente nos jardins e a   presenca marcante dos sininhos da neve (Schneeglöckchen) nos trazem o sentimento, a esperanca e a felicidade da primavera – infelizmente já vivemos também a “gripe/febre do feno” ou Heuschnupfen. Também pela primeira vez na vida (espero, a última)pude sentir algo do fenômeno denominado terremoto, felizmente em baixa escala, porém mesmo assim o sentimento de impotência bateu em mim muito forte quando eu senti que algo de totalmente diferente, inesperado e perigoso estava acontecendo, mas para a nossa sorte nao tivemos muito tempo para sentir realmente medo, pois  nao sabíamos o que estava acontecendo. Pude entender  a sensacao de instabilidade que havia há pouco sentido,  quando ouvi a notícia pelo rádio de que um terremoto tinha abalado o nosso estado. Com os furacoes já temos certa experiência, mas com terremotos… contudo ainda temos sorte, pois nada por aqui se iguala às grandes catástrofes naturais que, infelizmente, surpreendem cada vez mais populacoes em todo o planeta e o que podemos fazer contra é agir em favor da natureza. Mesmo nao participando de grandes acoes, todos nós podemos cuidar um pouco melhor da natureza – o que é fundamental para um planeta terra lindo, como é,  também para as geracoes futuras – isto é óbvio para todos nós. Agora, algo que também me incomoda – claro em menor escala – e também muitas outras pessoas é febre/gripe do feno. Além do medicamento que já conheco e nao é possível deixar de usar, nao vejo qualquer perspectiva de solucao. Os medicamentos que existem ( Lorano, por exemplo) ajudam a diminuir os sintomas da gripe, porém nao os eliminam. Nao sei porque, mas este ano ela chegou muito cedo para mim. Tenho lutado contra o ardor nos olhos, no nariz, a dor de cabeca, de garganta… o desânimo para enfrentar o dia, depois de noites mal dormidas. Eu gostaria muito de prestar a minha solidariedade para todas as pessoas que, assim como eu, se depararam em certa altura da vida com este problema, o qual é incompreensível quanto nos ataca a princípio e com o qual vamos aprendendo a conviver através de primaveras e veroes. O mais chato é que metade da nossa disposicao para enfrentar e disfrutar longos dias de luz, sao roubados por esta gripe. Do meu lado fica a tristeza por nao ter podido nos últimos dias saborear uma boa taca de Bordeux. A gripe do feno me rouba também parte do paladar…o que fazer? Se conformar com a ideia de que “nem tudo é perfeito”  e estocar, no armário, pacotes de  lencos.

Beijos.

Planos e danos…

Sexta-feira, Fevereiro 11th, 2011

"...tudo vale a pena, quando a alma nao é pequena..."

A manha está bem cinza e molhada! Já estamos na expectativa do fim de semana. Eu, infelizmente, nao tenho nenhuma esperanca de poder relaxar! Pelo contrário, penso que sábado e domingo serao mais estressantes que a semana que se encerra, pois planejamos reformar a sala este mês e amanha vamos para lojas e supermercados de construcao – a primeira parte desagrádavel de uma reforma ou construcao (!). Só para desabafar tenho que explicitar que desde que cheguei neste país estou sempre envolvida com reformas, construcoes, etc… no princípio parece muito interessante e produtivo, mas ao longo dos anos vai desanimando de uma tal forma! Como a mao-de-obra é bem cara os alemaes têm mania de fazerem tudo eles mesmos. Com isto economizam bastante para investir em material e tudo o mais. Meu marido, empreendedor como só ele… quando nao sabe fazer algo, pesquisa horas antes e depois tenta colocar em prática toda a teoria sugada de todas as fontes imagináveis, na esperanca de dispensar toda a mao de obra qualificada para qualquer projeto que ele tem para a casa. Após muito stress e certo tempo, normalmente tudo funciona bem… o dramático é que em todas as suas aventuras arquitetônicas eu sou o seu braco direito… com isto, praticamente, desde que cheguei neste país tenho desenvolvido um leque de habilidades impensáveis. Já tenho certa habilidade para auxiliar numa  construcao, desde o alicerce até o acabamento. Assim reformar uma sala de estar a primeira vista parece muito simples, só que depois que você já tirou dezenas de  kilômetros  de papel de parede e também ajudou na recolocacao de outras dezenas, você acaba sentindo pânico quando pensa em reformar  mais um cômodo da casa. Eu sei, chata eu, com tanta reclamacao… mas eu estou só comecando!

  • Vic está doente!
  • Laura tem prova de conhecimentos gerais segunda-feira;
  • Hoje as duas têm treino para apresentacao no domingo de coreografias de carnaval – funken (como se chama/como se explica isso em português?)
  • Amanha além das compras para a “reforma”, tenho que comprar bilhetes de entrada para uma apresentacao de coreografia de uma das damas (no fim do mês). As entradas serao vendidas somente entre 13.11 hs até 14.11 hs (tipisch!);
  • Domingo temos a apresentacao das coreografias. As duas damas já estao nervosas e ansiosas;
  • Também passei um tempo tentando personalizar o meu blog (flickr, twitter…) nada funciona! Claro que o problema sou eu e minha incompetência técnica.

Me sentindo melhor agora, gostaria de comecar propriamente o meu post, o qual se refere a separacao do Sudao. Li um texto bem bacana sobre isto e gostaria de compartilhar, mas infelizmente nao tenho mais tempo hoje – quem sabe na próxima semana.

Um beijo e ótimo fim de semana!

Ärger in Deutschland (aborrecimento na Alemanha)

Quinta-feira, Março 4th, 2010

Tenho que pedir perdão para o povo do Chile, Afeganistão, países africanos e todos àqueles que eu sei encontram-se agora em uma situaςão muito mais desesperadora que a minha. Contudo peςo licenςa e como estou chata hoje (particurlamente) tenho que escrever coisas chatas.  Quero muito compartilhar algumas coisas que eu “quase” nao suporto neste país, mas tenho que fazer e sem reclamar!

  • Lavar os cabelos antes de ir à cabelereira, pois senão tenho que pagar 10 Euros extras – cerca de 25 Reais;
  • Confiar na pontualidade dos alemães e chegar atrasada em um compromisso importante;
  • Perder tempo em tirar o calcário da água que se acumula em tudo por onde permanece por alguns minutos;
  • Esquecer de levar para as compras sacolas ou caixas para transportar depois o que foi comprado por mim;
  • Ser atendida por funcionários de loja ou supermercados que tratam  clientes como “ninguém”;
  • Levar todas as suas compras de supermercado para o carro e depois para dentro do apartamento (são mais de 30 degraus de escada);
  • Colocar eu mesma gasolina no carro, ajudar  na troca de pneus (verão/inverno), lavar os pneus que serão guardados, calibrar os atuais, verificar óleo;
  • Dirigir com marido do lado, dirigir atrás de um trator a 10, 15 ou 25 por hora;
  • No verão: Cortar grama / me estressar com os mosquitos que teimam em pousar nas carnes e saladas do nosso churrasco/ Jogar o nosso lixo biológico no recepiente (tonne: uma espécie diferente de barril) destinado para todo o bio da casa / lavar o mesmo;
  • No inverno: kratzen- tirar gelo do parabrisa do carro, caminhar sobre o gelo correndo o risco de cair um tombo e quebrar um osso; tirar a neve da entrada e do passeio da casa para as outras pessoas (meus vizinhos antipáticos)/ limpar a lareira;
  • No ginecologista: tirar primeiro a “parte de baixo” e ser examinada na  “parte de baixo” /voltar para a cabine para então vestir a “parte de baixo” e tirar a “parte de cima” para então ser examinada na “parte de cima”;
  • Pedir no dentista para que faςam uma “limpeza” nos meus dentes e deixar claro que eu vou pagar extra para isto, pois o que não se paga extra (o seguro já é bem caro) é só o fato do dentista olhar para a sua boca…

Sinceramente não gosto de reclamar, mas hoje eu precisava de um espaςo para “lavar a alma”.

Beijos.