Posts Tagged ‘Família’

“Cá” entre nós!

Quinta-feira, Agosto 30th, 2012

"Já errei, acertei, perdoei, odiei... estou sempre aprendendo viver..." Chaplin

Estou com muitas dificuldades para escrever um post de caráter pessoal. Faz tempo que não me sento para organizar parte dos meus  pensamentos, minhas dificuldades, meus altos e baixos e sobretudo publicá-los. Atualmente tenho muitos problemas para encarar o mundo vasto e algumas vezes bastante sombrio que a Web representa. No entanto, tenho que admitir que através das minhas aventuras no plano virtual tenho “encontrado” pessoas amáveis e inteligentes e tenho a chance também de “reencontrar” pessoas queridas que fazem parte também do meu mundo real,  pessoas que estão entre  1 a 10.000 kms de distância. Temos encarado também aqui em casa muitos problemas técnicos com a rede telefônica e por consequência a nossa conexão. Estou sim de certa forma tentando me desculpar pela minha “ausência” aqui neste retângulo que de forma interessante me transporta além de fronteiras internacionais e oceanos – isso me deslumbra um pouco, mas de verdade! – só um pouco. Meu deslumbre indescritível se encontra ao meu redor, nas pessoas que me inundam de alegria, espanto, raiva, tédio, tristeza, vergonha, decepção, ansiedade… ou seja as pessoas com as quais convivo e deixam transbordar a própria autenticidade. Entre estas pessoas se encontram meu pequeno, mas estupendo círculo de amigas, todas as crianςas e pré-adolescentes com os quais trabalho, boa parte dos meus vizinhos, o pai das minhas filhas e logicamente Elas. Minhas filhas que neste mês completaram mais um ano de vida. Tenho que agradecer bem alto ao criador por tê-las me presenteado assim doces, mas também algumas vezes  rebeldes como são e principalmente saudáveis física-pisico-socialmente. Me entristeςo muito quando percebo que alguém está doente e não sei qual das formas de doenςa é mais dolorosa: a física ou a psíquica. De qualquer forma penso que temos que nos cuidar para que nossa alma não adoeςa, então temos uma chance de passar por esta vida mais satisfeitos do que insatisfeitos, afinal o que conta mesmo e nos proporciona profundos momentos de paz e felicidade são as coisas mais simples e naturais como o sorriso de uma crianςa, o olhar curioso de um bebê, o pôr do sol, o nascer do sol, uma chuva forte num dia quente de verão, o calor aconchegante de uma casa cheirando a café numa manhã calma e fria, a alegria de nossos filhos quando chegam em casa contando sobre suas mais recentes experiências…

A propósito, sobre recentes experiências tenho muito a compartilhar:

  • Minha cozinha, meu lugar preferido para trabalhar e filosofar está reformada e fazem parte da decoraςão  alguns detalhes muito pessoais e (pelo menos para nós) – muito interessantes. Por exemplo uma foto ampliada de algumas montanhas de Minas Gerais. A moldura tem o formato janela. Uma ideia maravilhosa, tenho que admitir, do  meu príncipe.
  • Sobre o cansaςo e conflitos que esta reforma nos custou, melhor não comeςar a escrever!
  • As crianςas voltaram para a escola e já estamos profundamente envolvidos com trabalhos, avaliaςões e notas. Notas, inclusive  são novidades para Vic, mas já teve que digerir um 2 (no Brasil significa um 8 – na escala 0-10) em Artes, e um 3 (ou seja um 7 na escala 0-10) em Ditado – nada mal, mas Ela estava convicta que teria um 2 em funςão dos seus “4 pequenos erros” – Ela chegou em casa meio decepcionada com o “3”, mas por sorte não pensou muito mais no assunto. Para a minha tranquilidade “parece” estar um pouco preocupada com o trabalho de Matemática que vai ter na próxima semana;
  • Estou fazendo esporte com as crianςas 3 vezes na semana e o meu grupo de terςas está lotado de crianςas bem pequenas, doces e arteiras;
  • Nas quartas-feiras  tenho vivenciado  aventuras com gesso, terrakota e cores com crianςas de 5as e 6as séries – a experiência está sendo ótima!
  • Em duas semanas reencontro meu grupo animado de meninas para nos prepararmos para o carnaval 2013;
  • Na próxima semana vou ter o prazer de receber uma equipe de televisão aqui em casa (SWR), a qual por puríssima coincidência descobriu que uma brasileira em Mermuth se interessa tanto por História Alemã que ousou escreveu um livro sobre parte desta História e está muito envolvida num segundo projeto. Ontem um representante desta equipe me telefonou e me pareceu muito simpático e interessado em conversar comigo a respeito. Agora a ressonância disto e como eu vou me comportar em frente as câmeras – só Deus sabe! Tenho que confessar que já me sinto tímida! Estou pensando também se devo marcar uma hora na cabeleleira e perguntar sobre um make-up…

Acho que já escrevi demais… acho que estava com saudades!

Beijos

Dicas (práticas) do Consultório

Sábado, Agosto 4th, 2012

"Esconda a sua loucura atrás de um lindo sorriso.Isso basta". Paulo Coelho

Um final de semana diferente me aguarda, muito tranquilo… talvez até tranquilo demais. Estou sozinha em casa com meus pensamentos, ocupaςões domésticas e projetos para o futuro. É o terceiro ano consecutivo que Meus Três foram acampar juntamente com outros pais e crianςas aqui da nossa vila e dessa aςão, a qual tem um quê de aventura e gostinho de fim de férias, as mães estão fora, permanecem em casa e estam proibidas de participarem da aventura dos Meninos e Meninas. Às mães é concedida a  permissão de  ocuparem o próprio tempo com Elas apenas e decidirem desde a organizarem  grandes programas com amigas ou dormirem o tempo tempo se assim desejarem. Acho muito interessante esta tradiςão daqui! Meu final de semana, no entanto, mesmo sozinha já está repleto e não de programas com amigas, pois elas já estão comprometidas com  outras atividades. Acho que de diferente mesmo vou apenas dormir algumas horas extras que normalmente até porque tenho que me carregar de energia para a próxima semana que será de reforma na cozinha, ou seja meu campo preferido de trabalho e filosofia estará caótico! Jörg já me disse: “a partir de segunda, você não reconhecerá mais a sua cozinha…” Deus meu!

Mas particularidades a parte, comecei este post com o objetivo de compartilhar algumas dicas úteis que li ontem e considero bem importantes para nos ajudar em nossos relacionamentos, afinal é ilusório de que alguma relaςão sobreviva sem conflitos, sem contradiςões, sem altos/baixos e já sabemos também faz tempo que almas gêmeas não existem a não ser em ficςão. Assim encarar a realidade e trabalhar as diferenςas ajudam muito a amenizar os conflitos. Logicamente certa flexibilidade, em qualquer situaςão é fundamental senão a única possibilidade é mesmo viver sozinho, mas como disse o poeta: “…ninguém é feliz sozinho…”

Alguns aspectos a serem considerados:

1-Férias:

  • Quando um dos parceiros gostaria de ir para as montanhas e o outro para o mar o melhor mesmo é tentar estabelecer um acordo no qual em um período de férias os dois viajam para as montanhas e no outro período para o mar;
  • Isso vale também para as atividades – quando um quer ir para a praia e o outro jogar futebol ou golfe – vale o consenso no revezamento dos programas;
  • Existe também a possibilidades de programas separados, os dois não precisam estar juntos 24 horas por dia. Assim enquanto Ela vai às compras ou ao cabelereiro, Ele pode se ocupar sozinho com uma atividade que o agrada muito e a Ela não exatamente;
  • Absolutamente irreal também é pensar que os problemas por si mesmos se resolverão nas férias. É melhor não esperar que cicatrizes e conflitos se evaporem apenas com o “clima de férias”.

2-Caixas:

Quando os dois se relacionam de forma muito diferenciada com dinheiro, faz sentido a existência de contas separadas. Quando os dois têm bons rendimentos vale a pena a organização de um caixa extra para despesas comuns com a casa. Muitas situaςões conflitantes e desagradáveis podem existir se um tentar mudar a maneira do outro de investir ou gastar, pois este aprendizado está muito ligado a forma como fomos educados – normalmente aprendemos com os nossos pais no que e como investir ou desperdiςar o nosso dinheiro.

3-Amigos:

Paralelo aos amigos comuns, devemos ter os nossos próprios amigos independentes de nossa relaςão amorosa. É saudável para ambas as partes passar algum tempo sozinhas com pessoas que lhe são confiáveis para uma boa conversa ou a prática de algum hobby.

4- Pequenos segredos:

Os casais não precisam sempre falar sobre tudo. Um pouquinho de segredo fazem como “o outro” permaneςa interessante, atrativo. Psicólogos afirmam que os pequenos segredos permitem que possamos fantasiar através/em  nossos parceiros. Sem segredos o efeito se perde. Absoluta transparência não fortalece o relacionamento, pode torná-lo apenas entediante. Mais importante  é que sejamos para nossos parceiros pessoas previsíveis e confiáveis.

Beijos e boa sorte!

Fonte: Rhein-Hunsrück-Zeitung n°: 179,  em “Leben – Familie & Beziehung”

Dasafiar é preciso…

Sexta-feira, Dezembro 30th, 2011
Com carinho!

Com carinho e esperança, a qual não podemos ousar perdê-la.

Me sinto absolutamente em falta com este espaςo tão especial e que gosto tanto, tanto! Já se passaram muitos dias desde que dediquei umas duas horinhas para o meu cantinho na web. A mais pura verdade é que não tenho conseguido conciliar minhas atividades práticas com os meus hobbys. Logicamente a vida latente que flui ao meu redor é muito mais urgente e exigente que o sossego em poder  dedicar-me a escrever e publicar relatos, textos e outras coisas extras que “me puxam”  para a frente do Lap-Top. Bem, as festas natalinas se foram, eu sobrevivi… por menos que eu goste e aceite a pressão que paira no ar por volta deste acontecimento, acabo também envolta em preparativos e compras para os rituais de natal, logicamente com o intuito de não ser a “estraga-prazer”. Acho um pouco exagerado como os alemães comemoram a data. Principalmente no que se refere aos presentes e chocolates para as crianςas. Com o calendário de advento comeςam as distribuiςões de chocolates ou pequenos presentes (cada dia pela manhã, antes de mais nada, as crianςas procuram uma novidade na respectiva data), no dia 6 recebem a visita de Nikolaus (não apenas em casa, como também na escola, associaςões esportivas, etc), no dia 24: no auge da festa – então “a surpresa” (o brinquedo desejado) enviada por Christkind (Menino Jesus). O natal se comemora no dia 24 (Heiligabend), 25 e de quebra no dia 26. Este ano, no entanto consegui fazer algo realmente que considero importante – ir à igreja, acender velas especialmente para o menino Jesus, envolver a família numa atmosfera mais religiosa que material. A cada ano que passa me sinto mais distante da confusão comercial que envolve a festa e mais atenta ao significado espiritual do natal. Eu gostaria muito que todas as pessoas do mundo tivessem tido a oportunidade de comemorar a “perspectiva de esperanςa” que o natal representa. Eu me senti muito privilegiada de mais uma vez poder comemorar o Renascimento de Cristo junto à uma família saudável e com possibilidades de um futuro promissor. Mas senti muito pelas pessoas que se encontravam  sozinhas, tristes, doentes, desesperadas, vítimas de guerras, injustiςas… Penso que um magnífico presente de natal seria realmente se pudéssemos vislumbrar um mundo melhor para todas as pessoas e animais em todos os continentes…  um sonho bom, mas nós temos o direito de sonhar ainda – piegas, não me importo mais em parecer piegas. Outro dia li que as pessoas depois que atingem quase meio século de vida, são mais felizes. A verdade se constata em uma reportagem científica na revista Focus, que vale a pena ser lida. Quanto a mim tenho me sentido sim melhor do que em outros anos. No entanto ainda tenho tremido nas bases com novos desafios, apesar da “experiência” de vida. Tudo bem, os desafios nos mantém vivos.

Não sei se nos próximos dias vou sentar-me aqui de novo com esta calma para espairecer e filosofar, afinal estamos em férias. Meu príncipe e minhas princesinhas não me deixam muito espaςo para reflexões. Por isso mesmo gostaria de  registrar que desejo a você que me cedeu a honra da sua visita, em meu cantinho on-line, um ano novo cheio de desafios e toda a saúde, motivaςão e disposicão para encará-los e superá-los!

Beijos, com carinho!

Magia…

Terça-feira, Agosto 30th, 2011

Flores de Koblenz exclusivas para você!

é o que tomou parte da minha rotina nos últimos dias. Nao, infelizmente nao é o caso que agora eu possa fazer mágicas – apesar que muitas vezes já me peguei pensando em como prático seria poder com num estalar de dedos deixar tudo organizado e brilhando por aqui para eu poder sem peso na consciência me dedicar aos meus hobbys ou fazer algo mais produtivo para a massa cinzenta, pois os afazeres domésticos sao entediantes, exaustivos, repetitivos e todos os enxergam como uma obrigacao inerente ao papel de esposa e mae. O pior de tudo é que quando tudo está em ordem ninguém nota, ninguém faz qualquer observacao, mas quando você nao teve tempo para os servicos que estao sempre te esperando… a família contrariada reclama, sem pestanejar, com certo mal humor. Aqui em casa tenho me empenhado em envolver os meus 3 nas tarefas domésticas, principalmente no domingo, quando têm mais tempo. Depois de certa discussao o príncipe e as princesinhas estao mais atentos ao que podem fazer para me ajudar na cozinha, etc… outro dia, muito brava, falei para os três: “se eu fosse camelo, estaria no deserto!” Nao obtive qualquer resposta ou reacao, mas neste domingo tudo já “funcionou” melhor. Domingo também comomeramos o aniversário da Vic. A festinha com os amigos será na sexta. No domingo comemoramos em família ao visitarmos a Exposicao Federal de Jardins (BUGA) em Koblenz. Domingo sim pude realmente apreciar os jardins, construcoes e tudo mais que foi exclusivamente organizado para este evento. O passeio foi muito bom para todos nós, ainda tivemos a sorte de ao fim da tarde contarmos com sol, céu azul e uma temperatura muito agrádavel. Chegamos em casa um pouco tarde para um domingo, mas estávamos felizes pelo dia e também com a felicidade da aniversariante.

Bem o fato de eu ter comecado este post escrevendo sobre magia significa que agora pouco estava eu de novo pela milésima vez ouvindo músicas de Bibi Blocksberg – uma “bruxinha” muito linda, inteligente e bondosa. Nao sei se em outras partes do mundo ela é conhecida, eu particularmente a conheci aqui na Alemanha através da Laura, a qual assim como muitas outras criancas sao fãs da Bibi  e por isso mesmo estou trabalhando (tentando!) coreografias com o tema Bibi. Tenho até sonhado com ela, sua vassoura (Kartoffelbrei), Tina e cia. Sinceramente? difícil!!!! Até porque coloquei na cabeca que gostaria de originalidade num estilo meio rebelde e sobretudo dançante… dançar neste país é algo tao diferente que no nosso… ser capaz de deixar-se livre, embeber-se e movimentar-se com o rítmo da música. Só isso, nada mais… este é um grande e delicioso desafio! Que os anjos me ajudem! Que os anjos nos ajudem! Amém…

Outras imagens de domingo exclusivas (para você!) da minha câmera:

Beijos.

Conflitos em 4 paredes

Quinta-feira, Agosto 18th, 2011

Coloque a boca no trambone, se for necessário.

Ontem pela manha me deparei com vários temas bastante interessantes no caderno “Leben” do jornal regional. O título do texto principal – “Vom Streit der Eltern lernt das Kind”/ A crianca aprende com a briga dos pais – me chamou especialmente a atencao, afinal quem está livre de uma boa briga com o/a parceiro? Quem pode dizer que todos os dias sao só de flores? Nao, infelizmente nem todos os dias sao de flores. Os conflitos fazem parte de qualquer relacao e algumas vezes nao conseguimos resolvê-los tao diplomaticamente quanto gostaríamos. Nao é nada agradável quando temos que alterar o volume do nosso tom normal de conversa para nos fazermos entender ou impormos o nosso ponto de vista – envolve uma perda enorme de energia e abala tremendamente o sistema nervoso. No entanto sabemos faz tempo que “felizes para sempre” nao existe. Agora como tratar das nossas diferencas íntimas ou nao quando a relacao também é composta por criancas? Como nao envolvê-las nas discórdias conjugais? É possível isso? Como? Quando? Devemos realmente poupá-las dos conflitos?

Penso que os pais, em sua grande maioria, gostariam sim de manter os filhos afastados daquelas situacoes onde parece que “a casa vai cair” – o que é absolutamente correto. Porém fingir para as criancas que tudo transcorre 100% todos os dias seria humanamente impossível além do que nao estaríamos preparando nossos filhos para a vida. As rusgas fazem parte de todas as relacoes, inclusive entre os pais. O desafio é como chegarmos aos acordos entre as partes. Resolver conflitos é um aprendizado e como todo aprendizado é um processo, exigindo assim tempo, perseveranca, erros e acertos. Este aprendizado tao importante para a vida e que faz parte do “ser competente socialmente” adquire-se, como todos os outros, inicialmente em casa com os pais e irmaos. Mas como transformar um conflito e tudo o que ele representa:  desgaste, tristeza, lágrimas – em algo positivo para os filhos?

Alguns aspectos que devemos ter muito claro para nós mesmos:

  • O conflito deve ser tratado em alto nível – nao pertencem em hipótese alguma à orelhas das criancas: palavroes, falta de dinheiro, separacao, intimidades. Quando uma escalacao é evidente deve-se aguardar a saída das criancas para a escola ou para um passeio;
  • Tudo o que se relaciona à uma relacao entre casais uma crianca só terá condicoes de entender quando ela mesma tiver vivenciando uma relacao;
  • É tabu também transformar a crianca em mensageira. “fala pro seu pai….”  “fala prá sua mae…”
  • Muito importante: esclarecer para a crianca que há amor na relacao, porém no momento há entre os pais uma tremenda divergência de opiniao e exatamente isto está causando discussoes e problemas, mas o empenho na busca de solucoes é grande por ambas as partes;
  • Mais importante ainda para a crianca é ser envolvida no momento da reconciliacao. É fundamental para a crianca sentir e saber que a tempestade passou ao menos temporariamente.

Eu sei que nada é tao simples quanto ler um texto. No entanto penso que saber um pouco mais sobre como se comportar em situacoes difícieis pode melhorar a nossa qualidade de vida e proporcionar uma vida mais harmoniosa em família. Nao resolve se fingirmos que nada está nos incomodando para evitar um “quebra-pau”. Precisamos sim algumas vezes expor os nossos sentimentos de descontentamento e dor, afinal quem está livre deles?

Beijos.

Fonte: Rhein-Zeitung n° 189