Posts Tagged ‘História do Cotidiano’

Um novo projeto histórico-literário

Sábado, Abril 4th, 2015
Alemanha - Tempo, História, Extremo.

Alemanha – Tempo, História, Extremo.

Me sinto muito feliz em poder compartilhar com vocês nesta manhã, infelizmente, nada ensolarada de primavera que em alguns dias meu segundo e provavelmente último projeto histórico-literário estará saindo da editora. Estive trabalhando nele já há três anos, porém andei correndo contra o tempo nestes últimos dias para poder apresenta-lo no fim deste mês, quando então vou comemorar também com meus amigos o meu aniversário. Sem planejar muito vou acabar combinando  este acontecimento muito agradável para mim com um nem tanto agradável assim. É lógico que não é fácil para uma mulher sentir, divulgar e sobretudo comemorar 50 anos de vida. Por outro, quando penso em 50 anos de vida, me sinto na obrigação de estar contente e sobretudo agradecida ao Criador por chegar até aqui saudável e ter tido a oportunidade de viver intensamente cada ano deste meio século. Cresci rodeada não por luxo, mas por pessoas muito carinhosas, educadas e com fortes princípios. Princípios estes que trouxe na bagagem dos anos e procuro vivencia-los a cada dia também com minhas filhas. Elas são o maior presente de aniversário que eu poderia ganhar. Minhas filhas são a minha melhor parte e estou feliz em estar viva, saudável e otimista quanto ao nosso futuro.

Na verdade, neste post não pretendia falar de mim, mas sim do meu mais recente projeto histórico-literário. Sem pretensões comerciais trabalhei neste projeto com muito carinho e estou contente por, enfim, poder publicar que eu o aprontei e poderei compartilhar com vocês: Fragmentos de Memórias AutorizadasHistórias Reais de quem sobreviveu à Segunda Guerra Mundial.

Aqui você pode clicar para conhecer a capa e contra-capa do livro, através do qual você pode se interar de forma exclusiva da rotina de vida, em tempos de guerra, de pessoas muito especiais. São informações compartilhadas sob perspectivas individuais – simplesmente autênticas e emocionantes.

O livro está sendo editado apenas sob encomenda. Se você tiver interesse em conhecê-lo me avise por gentileza!

 

Beijos e

lindo fim de semana de primavera, outono

inverno ou verão!♥

 

História para ser (também) saboreada!

Domingo, Março 17th, 2013

Telefone, prestigie, participe!

É verdade! Sem exagero! Na próxima quarta-feira, dia 20.03 – 11:00 horas, tenho um compromisso muito importante com Nilda Bitencourt, a colunista social mais popular e simpática de todo o Brasil, quando então Ela assume totalmente soberana os microfones da Rádio Futura FM e não apenas se coloca mais uma vez em conexão direta com Itajubá e região como também estará me concedendo o privilégio de também falar um pouco com seus ouvintes. Sim,  na próxima quarta, vou telefonar para Itajubá para além de tentar matar um pouco as saudades da Terrinha também divulgar o sorteio de um Kit exclusivo composto por um livro O Paraíso sem Bananas e alguns produtos que poderão ser literalmente saboreados, os quais têm a marca inconfundível da História do leste da Alemanha.

Os produtos que compõem o Kit foram produzidos e consumidos antes da queda do Muro de Berlim apenas na parte oriental de uma Alemanha ainda dividida em dois Sistemas sócio-político-econômicos antagônicos entre si. Atualmente alguns deles podem ser encontrados por aqui nos supermercados das cidades vizinhas, mas outros ainda são escassos na parte ocidental da Alemanha, podendo ser encomendados em shops on-line quando não se pode viajar para o leste.

Este Kit que pode ser seu contém:

  • Um livro, escrito por mim, cujo tema central são as experiências do cotidiano vivenciado por minhas “Testemunhas do Tempo”quando então viviam sob o sistema socialista e massiva influência do poder soviético e dois marcadores (um para você/outro para ser presenteado) de livros com logotipo exclusivo;
  • Uma relíquia em formato marcador de livros, o qual é ilustrado com fotos de cenários típicos da área do Muro antes de sua queda e muito especial – um pequeno pedaςo original do Muro, o qual está cada vez mais raro de se adquirir e sinceramente despachei para Itajubá com uma certa dor no coraςão, pois eu o adquiri há dois anos atrás quando conheci Berlim, para onde não pude mais viajar;
  • Um pacote de bolachas crocantes e com leve sabor de chocolate: Russisch Brot/Pão Russo – com tradiςão de qualidade desde 1889;
  • Uma garrafa de champanhe – Rotkäppchen/Chapéuzinho Vermelho;
  • Uma caixa de chá com 25 sachês- Goldmännchenn/humanos dourados. Com Sabor e cheiro incomparável de maςã. Ele é produzido em Thüringen e é o preferido também das minhas filhas;
  • Um pote de mostarda Bautz`ner – deliciosa e levemente picante;
  • Um pendurico cheiroso para o seu carro com a informaςão “Geboren in der DDR”/Nascido na República Democrática Alemã.

Só me resta torcer para que você que se interessa pela História e Cultura Alemã ganhe este Kit e que possa, além de se informar através da leitura deste livro que foi concebido, escrito e publicado num contexto muito especial possa também:

  • olhar,
  • sentir,
  • manusear,
  • saborear, ou seja
  • experimentar com todos sentidos um pouco da História contemporânea da Alemanha – um país lindo, instigante e contraditório.

Com muito prazer e carinho o meu muito obrigada à duas grandes Mulheres, Amigas, Mães, Profissionais…

  • Ana Claudia  Tavares
  • Nilda Bitencourt por me ajudarem na concretizaςão deste projeto publicitário e todo o time receptivo e simpático da Rádio Futura FM de Itajubá.

Beijos!

Boa sorte!

“O casal alemão dos sonhos reencontra-se … devagar”

Segunda-feira, Outubro 4th, 2010

Rotkäppchen,  sobreviveu à crise do leste e invadiu o mercado ocidental.

Ontem  tivemos a chance de vivenciar o vigésimo aniversário da reunificação alemã. A natureza nos presenteou um lindo dia de sol, e um calor morno e fantástico transformou as nossas horas em um convite delicioso para um passeio pela natureza colorida de outono.

Tínhamos muitos motivos para comemorar, o dia lindo, mais uma festa da domocracia para nós brasileiros que tivemos novamente  oportunidade de eleger  (ou tentar) o(a) próximo (a) administrador (a) do Brasil e aqui no centro da Europa brindamos  e especulamos os 20 anos da “reconcialiação do casal:  leste e oeste”.

A grande festa da “re-unificação” aconteceu  propriamente bastante longe da minha vila, em Bremen. Lá estavam presentes grandes personalidades políticas como Merkel, Khol e  Wulff, o qual em seu discurso abordou um dos temas mais quentes e polêmicos  por aqui: integração.  A questão integração é super complexa e compreende não apenas alemães do leste na alemanha do oeste, mas a grande massa de imigrantes de diferentes partes do planeta que aqui na Alemanha buscam, por motivos diferentes, novos rumos para as suas vidas. O acento da problemática pertence à comunidade muçulmana que por suas convicçõoes religiosas e políticas são, na sua grande maioria,  inflexíveis.  Integração implica logicamente em adesão à novos costumes, novas posturas, nova dinâmica social, domínio de um novo idioma e sobretudo estar aberto às novidades. Algo que se encontra um pouco distante dos grupos muçulmanos. Posicionamento este que mesclado ao rascismo dos grupos de direita e esquerda existentes dentro da Alemanha , transforma o ideal de integração pregado nos discursos políticos em pura utopia.

Quanto à questão integração entre os próprios alemães os indícios são mais animadores.  Os clichês permanecem, mas incomodam somente as gerações anteriores. A geração “unificação”, ou seja as crianças nascidas em 1990 no leste da Alemanha  são unânimes em afirmar que não existe para elas duas Alemanhas e são capazes de ouvir com interesse as informações e experiências que seus pais e avós adquiriram enquanto cidadãos da ex-Alemanha socialista, mas não se sentem realmente envolvidos neste passado histórico.

Um balanço prático dos 20 anos de casamento:

  • Migração:  em 2008 viviam no leste  1,7 milhao de pessoas menos que em 1990. Cada um, em 10  habitantes  deram as costas para o leste;
  • Em 2008 um alemão do leste tinha um  rendimento  médio de 15.536 Euros – em 1991 eram 8156;
  • Empresários do leste faturam 76,5 em relação aos colegas do oeste – em 1991 46%;
  • 17% dos alemães do oeste dependem da ajuda financeira do estado para atender as suas necessidades materiais básicas, enquanto que no oeste 8%;
  • Quase idêntico é o acesso aos aparatos como:  Handys: 86% dos alemães do leste e oeste telefonam usando celular.  Em cada 15 (leste) e 16 (oeste) entre  100 salas, estão presentes televisores de última geração. Máquina de lavar louça é utilizada em 55% das cozinhas do leste e 64% do oeste;
  • Aposentadoria – padrão básico:  no leste 1086 Euros, no oeste 1224 Euros.
  • Contrariando muito  as versões pessimistas e preconceituosas atualmente 81% dos alemães consideram a reunificação do país como positiva e há um consenso geral de que nem tudo por lá foi negativo – o sistema educacional e de saúde, por exemplo, são mencionados  com respeito.

É compreensível que as sequelas de 40 anos de separação não foram ainda totalmente superadas apesar dos 20 anos de reconciliação, mas acredito que em todas as cabeças esclarecidas deste país existe a visão clara de que apesar de todos os desafios que já foram superados e apesar das feridas, que ainda estão abertas, é 100% melhor viver em uma Alemanha inteira do que em uma metade da Alemanha.

 

Para ler mais sobre o cotidiano na Alemanha socialista você tem a opção de se interar do

http://www.neusa-cortez.de/o-paraiso-sem-bananas-resenha-2/

 

Beijos.

Fonte: Rhein-Zeitung, n° 229 – sábado, 02/10/2010.