Posts Tagged ‘História’

Uma experiência única…

Segunda-feira, Setembro 10th, 2012

4 meninos bem educados, discretos, charmosos, pacientes, simpáticos e muito competentes!

foi a que eu vivenciei na última quinta-feira, quando então tive o prazer de receber em minha casa uma visita surpreendente – uma das equipes de uma rede de televisão – SWR – esteve aqui por cerca de duas horas. Nós conversamos bastante sobre alguns aspectos pessoais da minha vida, sobre minhas atividades cotidianas, sobre Mermuth, sobre o Brasil e principalmente sobre História Alemã. Em funςão do atual projeto de trabalho deles – Mermuth caiu aleatoriamente no roteiro de filmagens. A rua onde moro foi escolhida por Lony – nossa prefeita. Ela a escolheu por considerá-la interessante no contexto da vila.

Há duas semanas Lony subiu correndo as escadas daqui de casa, o que me surpreendeu um pouco, pois costumamos sempre telefonar antes de tocar a campainha de uma casa. No entanto,  para minha surpresa maior Ela tinha em mente me perguntar se eu teria um tempo para uma entrevista com uma equipe de TV. Logicamente minha primeira pergunta foi sobre o porque Mermuth estaria em foco numa rede de televisão já que não temos qualquer novidade por aqui. Ela me informou que Eles estavam trabalhando em Hunsrück e por acaso Mermuth apareceu no roteiro. Como consequência uma das ruas da vila deveria ser nomeada e nesta rua algo de interessante deveria ser pesquisado, averiguado e filmado para passar a ser parte da programaςão do canal no dia 25.09. 12.

Bem, a minha rua é composta  por algumas construções seculares e interessantes, mas pessoas também estavam no foco de interesse do chefe da equipe – Babst, o qual foi informado por Lony que aqui morava uma brasileira engajada em atividades esportivas/artísticas  para crianςas e tão interessada em História Alemã que escreveu um livro sobre uma fase da mesma. Basicamente foi este o motivo pelo qual dias depois da visita de Lony eu recebi uma chamada telefônica de Babst – Ele gostaria de saber se poderia me visitar para conversarmos mais sobre o meu interesse por História, livros e minha vida por aqui. Logicamente eu fiquei feliz por seu interesse em minhas atividades, quem não ficaria? Logicamente  a minha resposta à sua pergunta foi positiva, ainda mais considerando a sua simpatia permeada por muita diplomacia e interesse pelo meu principal Hobby. Marcamos sim uma entrevista para a quinta, 10 horas.

Neste dia, eu acordei muito cedo pois tinha muito o que preparar. Tinha conversado com Eles no dia anterior e os intimei a tomar café da manhã aqui. A princípio recusaram com veemência a minha intimaςão afirmando que estavam aqui só para trabalhar. No entanto eu com minha hospitalidade mineira os convenci que estar bem alimentado faz parte de um bom trabalho. Assim depois da primeira etapa do dia de trabalho deles aceitaram fazer pausa na minha cozinha para um lanche, se abstiveram de café, Seckt e caipirinha, mas aceitaram água e suco (bons meninos!).

Para terminar tenho que admitir que eu estava muito  confusa até tomar uma taςa de Rotkäppchen. Depois minha timidez diminuiu um pouquinho e minhas ideias clarearam mais ou menos. Eu estava sim preocupada em fazer uma figura razoável. Aqui correu tudo muito bem, não me preocupei muito com o buraco negro que representa uma câmara e contei com a ajuda dos 4 meninos que sempre me diziam com muito tato como eu deveria me comportar ou como esconder os cabos do microfone. Agora quanto ao resultado da aventura em frente às câmaras só mesmo no dia 25. Não tenho porém qualquer expectativa super positiva, como escrevi – fazer uma figura razoável era a minha pretensão e sobretudo poder ser eu mesma além dos nervos.

Beijos e linda semana!

Um dia especial de Anti-guerra

Sábado, Setembro 1st, 2012

"Wer die Vergangenheit nicht kennt, wird de Gegenwart nicht verstehen"/"Quem não conhece o passado, não poderá entender o presente."

Todos os dias na verdade são de Anti-guerra, mas hoje – 01.09  foi defenido formalmente como um marco para manifestarmos publicamente nosso repúdio à arrogância, à ofensa, à dor e à morte em campos de batalha. Por que a data 01.09? Porque no dia 01.09. 1939 os alemães, infelizmente, invadiram a Polônia. Naquele dia comeςou um episódio lamentável da História deste país. Naquele dia soldados em  aviões jogaram bombas sobre cidades como Danzig e Stettin e canhões deixaram em terra suas marcas de violência, arraso e morte. Este foi o comeςo evidente da Segunda Guerra Mundial, a qual perdurou até 1945 e cujas consequências ainda estão bastante presentes – as cicatrizes artificiais, físicas não se pode perceber, porém as cicatrizes na alma das pessoas que sobreviram ao martírio que esta guerra significou também para o povo alemão estão latentes. A geraςão que também foi responsável por retirar a Alemanha dos destroςos merece o nosso profundo respeito e creiam  Ela tem muitas Histórias para contar…

O dia 01.09 foi definido como o dia “Anti-Guerra” pela  Federação Sindical Alemã (DGB – Deutsche Gewerkschftsbund) no ano de 1957. A ideia foi implantada para que nos recordemos dos dias sombrios de guerra e que neste dia se possa promover demonstraςões para a paz. Antes da Segunda Guerra Mundial existia o “Dia Internacional da Paz”: 01.08 – neste dia, em 1914 comeςava a Primeira Guerra Mundial.

As datas Históricas são com insistência enfatizadas pelos alemães, inclusive àquelas com ressonância negativa, com o objetivo de não se repetir os erros cometidos no passado. Já ouvi críticas por parte de alguns experts pela repetiςão “exagerada” dos rituais que recordam episódios dramáticos da História do país, porém na minha opinião isto representa  atos de pura coragem e outras oportunidades de reafirmar que o povo Alemão está cansado de guerra e quer P A Z!

Beijos e uma semana de muita paz!

Viva a liberdade de opinar!

Terça-feira, Janeiro 24th, 2012

O dia 24 de janeiro de 1945 ou seja há 64 anos atrás vivia-se aqui na Alemanha um dia muito importante. Neste dia o público teve acesso aos primeiros jornais  L i v r e s após a ditadura nazista. Com certeza vocês sabem que no tempo em que os nazistas estavam no poder não havia liberdade de imprensa, ou seja os jornais publicavam apenas o que era do agrado dos Nazis. Quando estes perderam a guerra, os vencedores – americanos, britânicos e russos – ao dividirem o país entre si tinham como  objetivo o de reestabelecer no país a liberdade de imprensa,  para que assim este país se tornasse  democrático. Na área de ocupaςão americana – Aachen- chegava às bancas o primeiro jornal alemão, mas ainda publicado pelos americanos. O jornal se chamou ” Aachener notícias” e ainda existe. Em um dos prefácios deste jornal o comandante americano escreveu que “finalmente mostrar a verdade para os alemães , a qual por muito tempo foi retida” –  seria uma de suas principais metas.

Beijos e um lindo dia!

Ps. A imagem acima ilustra a divulgaςao de um evento que se realizará na sexta-feira – 27.01, dia da libertaςão dos prisioneiros de Auschwitz – em várias escolas e instituiςoes públicas, cuja finalidade é prestar uma homenagem às vítimas dos nacionais socialistas.

Texto traduzido na íntegra – Kindernachrichten (notícias para crianςas), Rhein-Hunsrück-Zeitung n° 20

Mädels/Fußball – Meninas/Futebol

Quinta-feira, Junho 23rd, 2011

Concepςões e modelos ridículos...

De 26 de Junho até 17 de julho será cediada aqui na Alemanha a Copa Mundial de Futebol Feminino. Este é um motivo suficiente para olharmos bem de perto a História desta moderacao esportiva.

A Associacao Alema de futebol tornou oficial o jogo de futebol de mulheres apenas no ano de 1970, ou seja há 40 anos atrás. Naturalmente as mulheres jogaram futebol muito antes disso. Quando em 1863 o futebol através da unificacao de regras internacionais se tornou uma moderacao esportiva – já em escolas inglesas as meninas jogavam futebol. Em 1894 foi fundado o primeiro time inglês de futebol feminino – o Britisch Ladies. As jogadoras usavam chapéu, schorts até o joelho – para manter a decência –  e sobre o schorts: uma saia também até a altura dos joelhos. Durante a Primeira Guerra Mundial o futebol de mulheres obteve o seu ponto alto, pois os homens estavam nas frentes de batalhas e as mulheres tiveram que realizar todas as tarefas – desde o trabalho nos campos de cultivo e  fábricas até ocupar os espacos esportivos, afinal derepente elas é que “tinham as calcas”.

Na Alemanha ao contrário, nesta fase, o futebol nao era nada popular. Somente em 1930 a filha de um acougueiro – Lotte Specht, com a ajuda de um anúncio em jornal, fundou o primeiro “Damen-Fußball-Club Frankfurt”, o qual se deparou logo de princípio com muitos opositores. Naquele tempo as jogadoras tiveram que batalhar muito contra preconceitos. Contra elas eram comuns as críticas ofensivas e palavroes. Os jornais também nao ressaltavam nada de positivo no Futebol de Mulheres. Fato este que correlaciona-se com a ascensao dos “Sociais Nacionalistas” ao poder, os quais tinham uma outra “imagem ideal” de mulher. Para eles as mulheres nao estavam permitidas a fumarem, beberem e muito menos jogar futebol.

Em 5.03.1936 a Associacao Alema de Futebol determinou que esta moderacao esportiva seria incompatível com a natureza e a dignidade da mulher. Também depois da Guerra o futebol feminino representou uma sombra para a Associacao. Em 30.07.1955, em Berlim, tornou mesmo “proibido” para as associacoes desportivas a organizacao de torneios de futebol feminino e até mesmo de aceitarem um membro feminino. Isto perdurou até 1970, quando entao foi autorizado oficialmente, pela DFB (Deutsche Fußballbund) a moderacao esportiva para mulheres. Naquele tempo as regras para as “meninas” eram diferentes da dos “meninos”: a bola era menor, tempo 2 x 30 minutos, as chuteiras eram proibidas e em funcao da natureza “fraca” da mulher – as jogadoras eram obrigadas a fazerem meio ano de pausa de inverno. Quando em 1989 pela primeira vez as mulheres se tornaram campeas europeias obtiveram como prêmio um “servico de café”. Naturalmente, as atuais jogadoras nao aceitariam novamente disputar um título por “xícaras/pires/ e cia. Se elas ganharem o título de campeas mundiais cada jogadora receberá  como prêmio: 60 000 Euros.

Sem dúvida alguma, a Selecao Nacional Feminina de Futebol, através do sucesso que atingiu, já conseguiu fazer muito  por uma visao mais positiva desta moderacao esportiva. Atualmente muitas pessoas já assistem com prazer e interesse os jogos entre mulheres. Jogadoras como Birgit Prinz ou Nadine Angerer sao quase tao conhecidas quanto jogadores como Miro Klose ou Bastian Schweinsteiger. Na Associacao Alema de Futebol estao cerca de 1 milhao de integrantes do sexo feminino, sendo que 700.000 meninas e mulheres jogam futebol  através das associacoes esportivas espalhadas por todo o país.

Texto traduzido por Neusa Arnold-Cortez (na íntegra) – escrito por Sonya Ross para o “Rhein-Zeitung” n°140 de 18.06.2011