Posts Tagged ‘Hunsrück’

Unindo gerações!

Sexta-feira, Outubro 25th, 2013

Uma iniciativa maravilhosa!

Você também está convidado para  esta festa que promete!

Não há distinção de faixas etárias, cor, nacionalidade ou tamanho!

Beijos e

lindo fim de semana!

Aventuras (mil) em abril

Sexta-feira, Abril 19th, 2013

"Liebe ist alles, was wir brauchen..." "Amor é tudo que nós precisamos..."

Não posso realmente me expressar através das palavras as últimas emoções que vivi nestas semanas… um misto de altos e baixos numa velocidade quase que estonteante!  Lógico que posso estar sendo um pouco exagerada, porém  vivendo num país de extremos é normal que se contagie um pouco (!?). Sim a Alemanha é um país de extremos e quem não se encaixa neste carrocel de alegria estupenda, tristeza profunda, stress diário, amor pelos detalhes e tradiςão – corre o risco de permanecer a margem do mundo alemão e ter uma vida paralela numa sociedade multiculti, exigente, mas solidária.

Quanto a mim depois dos meus doze anos plantada neste país posso afirmar que o aprendizado e os desafios são constantes. Não há qualquer possibilidade onde deixo de tirar uma lição de vida. Naturalmente minha motivação para ter buscado sempre a interação com a cultura e os extremos alemães provém da minha família – principalmente das minhas filhas. E considerando esta interação havia resolvido há tempos que minhas filhas seriam batizadas na igreja católica, sinceramente não por ser extremamente católica, senão por ter nascido numa família católica e por não perceber qualquer diferenςa em estruturas superficiais, prefiro (tentar) cultivar a solidariedade entre todos os seres animais independentemente de seu credo, cor, procedência ou forma. Assim me sentindo de certa forma íntima com os rituais católicos, Laura e Victoria foram batizadas e optaram também, logicamente incentivada por mim, pelo ritual de “Primeira Comunhão”. Esta opção, também foi uma questão mais interativa do que religiosa, já que a minha religiosidade é profunda, mas tão somente encravada no coração e na alma – não preciso de recursos externos para me sentir próxima ao criador. No entanto, eu não queria que minhas filhas se sentissem excluídas de um evento tão importante na região onde vivemos. Assim me informei sobre os detalhes com algumas mães mais simpáticas sobre as primeiras providências a serem tomadas. Ai foi o meu primeiro espanto quando me informaram que eu deveria um ano antes reservar um restaurante ou buffet. Não acreditei muito, mas para a minha sorte segui este conselho e depois constatei que realmente quando não se pretende cozinhar é necessário estar atento às datas pelo menos doze meses antes. Não que eu não goste de cozinhar, mas considerando todos os detalhes desta festa é humanamente impossível para apenas uma pobre mãe cozinhar, fazer vários bolos, colocar todos os talheres, copos, pratos, etc… além da preocupação com o número de cadeiras, mesas e além do mais a decoração, flores, velas e todos os compromissos oficiais com a igreja. Enfim, são tantos os detalhes que nem sei como compartilhar… Mas não importa, hoje estou livre destas preocupações e outras também. Para Vic sua festa foi muito interessante, assim como todos os presentes e euros que ganhou, mas  principalmente o carinho dos amigos e vizinhos. Apenas por ver sua felicidade ao abrir tantos cartões me sinti mais do compensada por todo o trabalho de antes, durante e depois da festa. Sim, esta semana foi também muito dura para ser pontual e compentente com as minhas atividades normais além de limpar, organizar e conferir todos os utensílios domésticos que emprestamos ou alugamos para poder promover um almoςo e um café da tarde razoável para nossos convidados – todos muito simpáticos, e tão próximos que não se esqueceram que neste dia eu também completava mais um ano de vida – por isso mesmo mereciam o melhor… para a próxima festa pretendo  contratar um serviço completo. Frescura? Nem um pouco, acho que ainda preciso de vários dias para me recuperar da canseira!

Não, as aventuras não representaram apenas organizar as mesas, toalhas brancas, velas e todos os talheres, copos, tentar ser atenta e gentil com cada um de nossos convidados e depois organizar tudo de volta (e limpo) nos lugares, mas também uma corrida contra o tempo para colocar nosso novo e possante carro em ordem, pois nos últimos tempos imprimi nele certas marquinhas. Para tanto tive que correr atrás de favores e ônibus de linha, pois queria dar conta de todos os meus compromissos semanais.

Hoje estou bem, é sexta, e me permito tomar uma Bittburger, mas ontem no ápice da correria para pegar Vic e Laura na escola e levá-las ao dentista, aproveitando uma carona inesperada e sensacioanal do meu querido amigo Rubens, esqueci a chave do apartamento dentro do próprio apartamento. Qual seria nossa chance de voltar para o aconchego de casa depois de horas incertas correndo entre Kastellaun e Halsenbach?

Me poupem dos detalhes… digo a vocês, queridos e queridas, que Vic me lembrou, depois de horas de encabulamento, que teríamos uma chance de entrar no apartamento por uma abertura no teto do corredor… para a minha saúde e sorte não me desesperei, embora pensasse constantemente na conta extra ao pagar um profissional abridor de portas ou no preço da própria porta… e para o nosso júbilo a ideia da minha pequena funcionou 100%, ou seja, ontem lá pelas 18 hs pudemos invadir o nosso ninho e para a minha tranquilidade o “nosso possante” reluz de novo na garagem!

Para o coramento de um feliz final de  semana só posso desejar muito bom humor para o meu príncipe, o qual passou a semana em Munique – muito longe dos distúrbios e incertezas do ninho em Mermuth…. bom prá Ele que pôde se concentrar totalmente no seu produto e no seu trabalho…

Beijos e lindo fim de semana para todos nós que merecemos!

Uma experiência única…

Segunda-feira, Setembro 10th, 2012

4 meninos bem educados, discretos, charmosos, pacientes, simpáticos e muito competentes!

foi a que eu vivenciei na última quinta-feira, quando então tive o prazer de receber em minha casa uma visita surpreendente – uma das equipes de uma rede de televisão – SWR – esteve aqui por cerca de duas horas. Nós conversamos bastante sobre alguns aspectos pessoais da minha vida, sobre minhas atividades cotidianas, sobre Mermuth, sobre o Brasil e principalmente sobre História Alemã. Em funςão do atual projeto de trabalho deles – Mermuth caiu aleatoriamente no roteiro de filmagens. A rua onde moro foi escolhida por Lony – nossa prefeita. Ela a escolheu por considerá-la interessante no contexto da vila.

Há duas semanas Lony subiu correndo as escadas daqui de casa, o que me surpreendeu um pouco, pois costumamos sempre telefonar antes de tocar a campainha de uma casa. No entanto,  para minha surpresa maior Ela tinha em mente me perguntar se eu teria um tempo para uma entrevista com uma equipe de TV. Logicamente minha primeira pergunta foi sobre o porque Mermuth estaria em foco numa rede de televisão já que não temos qualquer novidade por aqui. Ela me informou que Eles estavam trabalhando em Hunsrück e por acaso Mermuth apareceu no roteiro. Como consequência uma das ruas da vila deveria ser nomeada e nesta rua algo de interessante deveria ser pesquisado, averiguado e filmado para passar a ser parte da programaςão do canal no dia 25.09. 12.

Bem, a minha rua é composta  por algumas construções seculares e interessantes, mas pessoas também estavam no foco de interesse do chefe da equipe – Babst, o qual foi informado por Lony que aqui morava uma brasileira engajada em atividades esportivas/artísticas  para crianςas e tão interessada em História Alemã que escreveu um livro sobre uma fase da mesma. Basicamente foi este o motivo pelo qual dias depois da visita de Lony eu recebi uma chamada telefônica de Babst – Ele gostaria de saber se poderia me visitar para conversarmos mais sobre o meu interesse por História, livros e minha vida por aqui. Logicamente eu fiquei feliz por seu interesse em minhas atividades, quem não ficaria? Logicamente  a minha resposta à sua pergunta foi positiva, ainda mais considerando a sua simpatia permeada por muita diplomacia e interesse pelo meu principal Hobby. Marcamos sim uma entrevista para a quinta, 10 horas.

Neste dia, eu acordei muito cedo pois tinha muito o que preparar. Tinha conversado com Eles no dia anterior e os intimei a tomar café da manhã aqui. A princípio recusaram com veemência a minha intimaςão afirmando que estavam aqui só para trabalhar. No entanto eu com minha hospitalidade mineira os convenci que estar bem alimentado faz parte de um bom trabalho. Assim depois da primeira etapa do dia de trabalho deles aceitaram fazer pausa na minha cozinha para um lanche, se abstiveram de café, Seckt e caipirinha, mas aceitaram água e suco (bons meninos!).

Para terminar tenho que admitir que eu estava muito  confusa até tomar uma taςa de Rotkäppchen. Depois minha timidez diminuiu um pouquinho e minhas ideias clarearam mais ou menos. Eu estava sim preocupada em fazer uma figura razoável. Aqui correu tudo muito bem, não me preocupei muito com o buraco negro que representa uma câmara e contei com a ajuda dos 4 meninos que sempre me diziam com muito tato como eu deveria me comportar ou como esconder os cabos do microfone. Agora quanto ao resultado da aventura em frente às câmaras só mesmo no dia 25. Não tenho porém qualquer expectativa super positiva, como escrevi – fazer uma figura razoável era a minha pretensão e sobretudo poder ser eu mesma além dos nervos.

Beijos e linda semana!

Federweißer – pena branca

Quarta-feira, Setembro 22nd, 2010

Federweißer - estágio inicial do vinho

Federweißer é um típico e delicioso acompanhamento para a atmosfera que envolve o outono na região  onde  eu moro. É a bebida do outono, a fase inicial do trabalho com as uvas para a producão do vinho. É muito leve, doce e especial, com uma porcentagem pequena de álcool. Com o passar dos anos eu aprecio cada vez mais tomar Federweißer, cuja traduςão que tenho é: Pena branca, pois Feder é “pena” – acho o nome adequado, pois nos lembra da  leveza que representa uma  pena e weißer, de Weiß – a cor branca, o er é por questões gramaticais, a qual prefeiro não entrar em detalhes no momento. No entanto uma tradução oficial para a palavra não encontrei.

Ontem em um dos supermercados da rede REWE não resisti e trouxe uma garrafa para casa e claro não podendo faltar o acompanhamento mais que adequado – bolo de cebola, comprei também uma caixa do bolo, a qual já contêm quase todos os ingredientes, exeto:

_ Para o creme de cebolas:

  • 500 ml de leite
  • 100 a 200 gr de bacon em quadradinhos

_ Para a massa:

  • 100 ml de água
  • 2 colheres de sopa de óleo

Quanto ao modo de fazer encontramos passo a passo na própria caixa do produto. A marca que conheco é RUF e todos os anos ao menos uma vez comemos bolo de cebola aqui em casa e claro tomamos Federweißer. O qual é vendido em garrafas semi-abertas necessitando muito cuidado no seu transporte e deve ser conservado por pouquíssimos (se você conseguir) dias em geladeira.

Beijos e um lindo outono.