Posts Tagged ‘Literatura Imigrante’

Almas

Quinta-feira, Março 10th, 2016

Venho me apaixonando  incondicionalmente por  almas!

Cores, dores

Terça-feira, Fevereiro 2nd, 2016

Um dia

cinza

embala

minha alma

fria.

 

A solidão

penetrante

absoluta

sem perdão.

 

A ânsia

pelo além

de almas

sensíveis

amargas

descompassadas.

 

Há realmente cores

muito além do arco-iris?

 

 

Linda semana!

Beijos.

 

Natal – muito além dos pacotes…

Segunda-feira, Dezembro 21st, 2015

Pergunto-me agora, com alguma ansiedade, sobre o como dizer, o como escrever para pessoas tão queridas, nas quais penso com muito carinho – que  desejo tanto – que possam vivenciar nestes dias especiais de luz natalina, algumas horas de paz consigo mesmas e com o universo, independente de onde se encontram, do número de suas contas bancárias ou do volume de seus guarda-roupas.

Nos últimos anos tenho aprendido que o tempo de natal é um ótimo espaço interno para se dedicar exclusivamente para o que realmente importa: a busca da quietude do coração e estar com pessoas que sei, estarão comigo em outras datas e circunstâncias, independente de natais e pacotes.

Imagens e sons de pessoas queridas que estiveram em minha vida, algumas por pouco tempo, outras compartilharam comigo muitas alegrias e tristezas, muitas vivem já na outra dimensão – todas colaboram, ainda hoje, para a minha paz, para a integridade da minha alma. Me sinto agora, muito agradecida por todos os momentos que vivienciei junto à todas elas. Me sinto agora, muito agradecida por ter a oportunidade de agradecer ao universo por mais um natal, mais uma oportunidade de experimentar a sensação da presença de muitas pessoas queridas, além dos quilômetros e dimensões.

Um natal de paz

para você!

Beijos ♥

Apenas por um minuto

Terça-feira, Dezembro 15th, 2015

Sim, apenas por um minuto,

poder sentir,

um vento morno

acariciando minha face, meu corpo.

 

Apenas por um minuto,

poder sentir,

a temperatura, a testura de peles morenas,

sedutoras, doces, amenas.

 

Apenas por um minuto,

poder sentir

gotas pesadas da chuva quente

na sede ardente.

 

Primaveras, verões, vidas,

despedidas.

Essências,

despercebidas,

concebidas,

 

para sempre…

 

Beijos, com amor ♠

 

Digam aos meus filhos

Domingo, Novembro 8th, 2015

Digam aos meus filhos que já não me olhem hoje/ Sag meinen Kindern, dass sie heute nicht mich anschauen sollen.
Digam a eles que olhem o céu, a terra, o que entre lá se passa/Sag ihnen, dass sie den Himmel, die Erde, was dort geschiet anschauen sollen.
Digam que não me olhem agora. Não agora. Sag ihnen, dass sie  mich jetzt nicht anschauen sollen. Nicht jezt.
Pois eu envelheci./ Denn,  ich bin alt geworden
Digam aos meus filhos que baixem a guarda dos orgulhos./ Sag meinen Kindern, dass sie die Mauer von dem Stolz stürzen sollen.
Digam a eles que parem um pouco de pensar no futuro./Sag ihnen, dass sie für eine kurze Zeit nicht  an die Zukfunt denken sollen.
Digam também que carreguem no peito e nos bolsos./ Sag ihnen, dass sie im Herzen und Taschen
Mais do que em computadores e telefones, as fotografias./ Mehr als Computer und Handys, die Fotos
que o tempo teima em apagar:/die, die Zeit drengt zu löschen
as que são nossos momentos, que são suas infâncias, adolescências, meninices de todas as idades! Sie sind unsere Momente, sie sind ihre  Kindheit,  Pubertät und die Leichtigkeit von allen Altern!
Digam aos meus filhos que parem de olhar para frente/Sag meinen Kindern, dass sie nicht mehr  gerade aus schauen sollen
que esqueçam um pouco o que desejam ser e apenas sejam… /dass sie für eine Augenblick vergessen sollen, was werden möchten und nur sein sollen was sie jetzt sind.
agora, no presente./Jetzt, in der Gegenwart
Digam que o tempo não os esperará…/Sag, dass die Zeit nicht auf sie warten wird
Os netos, os bisnetos, os que virão e os que não virão mais, todos serão ungidos / Die Enkel, die Urenkel, die kommen werden und die nicht mehr kommen werden, alle werden gesegnet

pelo tempo e não permanecerão…Von der Zeit und keine bleiben wird
Mas poderão, todos eles, digam!, contar a história… nossa história…! Aber doch alle könnten die Geschichte,  unsere Geschichte  erzählen.
Digam aos meus filhos, por favor, digam aos meus filhos… Sag meinen Kindern, Bitte, sag meinen Kindern
Que a juventude que havia em mim hoje ainda aflora, mas já não a olhos vistos…/dass die Jugend in mir noch heute entsteht, aber nicht mehr sichtbar ist

ela está escondida em meu coração…/sondern versteckt in meinem Herzen
Ela está penhorada pelo corpo que reclama de dor e pela alma que tem seus outros anseios…/Sie wird durch den Körper befestigt, der vor Schmerzen klagt und die Seele, die andere Wünsche hat.

Digam aos meus filhos que tudo o que eu teria para dizer a eles, provavelmente não direi./ Sag meinen Kinder, dass alles, was ich sagen würde, wahrscheinlich  nicht sagen werde

Não porque não quis, não porque o tempo é curto, não porque a vida se esgota…/ Nicht weil ich nicht wollte, nicht weil die Zeit zu wenig ist, nicht weil das Leben abläuft
Mas porque os momentos nem sempre são propícios, os benefícios nem sempre são bem-vindos…/ weil die Momente nicht immer günstig sind, die Vorteile sind nicht immer willkommen…/

Digam aos meus filhos que eu fui também sacrifício. Mas antes de sê-lo, fui amor./ Sag meinen Kindern, dass ich auch ein Opfer war. Aber vorher, war ich Liebe.
Digam que sonhei, sonhei tanto que quase alcei voo atrás desses sonhos./ Sag ihnen, dass ich geträumt habe, soviel, dass ich fast durch die Träumen fliegen konnte
Digam a eles que por eles, pousei./ Sag ihnen, dass ich für sie gelandet bin
Digam aos meus filhos, o que agora estou aqui a dizer a cada um de vocês/Sag ihnen, was ich jezt hier  für jeden von Euch sage
e que assim, desesperada, ansiosa, deitada na agonia e erguida na poesia eu falo:/und so verzweifelt, aufgeregt, ängstlich und in der Dichtung erhöht, sage ich:


Digam aos meus filhos porque eu sei que não poderei dizer…
Eu envelheci. Sag meinen Kindern, weil ich es weiß, dass ich nicht sagen werde…
Eu envelheci, abracei-me com os anos e já quase morri. Ich bin alt geworden, die Jahre habe ich ungearmt und  ich bin fast gestorben.
Mas por eles ainda estou viva. Aber für sie, lebe ich noch.
Por eles ainda viverei. Für sie werde ich noch leben.
Mas digam, digam aos meus filhos que envelheci. Aber sag, sag meinen Kindern, dass ich alt geworden bin
E da velhice os observarei… und von dem Alter werde ich sie beobachten
Amarei… werde ich lieben
Tudo que for possível eu farei. Alles, was möglicht ist, werde ich machen
Mas que eles saibam que o possível já é menor que a eternidade que não me pertence mais. Aber  sie müssen wissen, dass was möglich ist, ist bereits weniger als die Ewigkeit, die mir nicht mehr gehört.

E que apenas o amor dos meus olhos e a bênção das minhas mãos os seguirá ainda antes das palavras que não poderei dizer…/ Und, dass nur die Liebe meines Augen und der Segen meinen Händen werden sie verfolgen, noch vor den Wörtern, die ich nicht sagen werde.

Por Jacqueline Aisenman.

Traduzido por mim mesma sob autorização da nossa querida Jacque.

Para saber mais sobre esta estupenda autora: clique aqui e  visite o seu site.

 

Beijos e

uma ótima semana para todos vocês!

 

 

Solidão

Segunda-feira, Setembro 14th, 2015

Algumas sombras

Algumas marcas.

Tantas dores e

amores

perduram

se eternizam.

 

Somos um caos,

de sentimentos,

medos,

avessos

que se completam,

que se massacram,

 

no ato

do abraço

misturado

de indescritível

medo,

no escuro,

no absurdo,

 

do mundo.

 

Para K.K.

que partiu sem mais palavras ♥

Beijos.

 

Sobre estrelas…

Sábado, Agosto 22nd, 2015
SAM_1649-002

“É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã…”

Destas que estiveram por aqui.

Por aqui mesmo,

digo, sobre a terra.

Vivendo a própria trajetória.

Sedentas, cansadas, sofridas,

através de suas vidas.

Elas mesmas,

que nos embalaram,

nas noites se calaram,

quase que em vão,

esperaram.

Minhas estrelas particulares,

minha mãe, minhas irmãs.

Ana, Helena, Isabel,

agora na luz sedutora do céu.

Nossos caminhos traçados,

sob a sabedoria infinita,

já estão misturados, infiltrados,

através do toque

através da alma,

que acalma.

Apenas um sorriso,

um suspiro,

um pensamento,

de amor,

de solidão,

de conspiração.

 

 

Beijos!

Com amor,

sempre!

 

 

 

 

Os restos do Muro de Berlim

Sexta-feira, Julho 24th, 2015
Para saber mais: O Paraíso sem Bananas!

Para saber mais: O Paraíso sem Bananas!

Estudo: a divisão do território alemão e suas consequências ainda perduram.

25 anos após a reunificação da Alemanha, as diferenças do estilo de vida entre os alemães do leste e do oeste tornaram-se amenas em muitos aspectos. No entanto, por questões estruturais uma completa unidade entre a ex RDA (socialista) e a RFA (capistalista) nunca será concretizada.

Segundo o Instituto Berlinense de povoamento e desenvolvimento, com relação à taxa de natalidade, educação formal e condições ambientais não existe mais diferenças marcantes entre o leste e o oeste, porém quanto aos temas: Desenvolvimento populacional, robustez ecônomica, bens, herança ou na agricultura – as diferenças são visíveis.

No leste vivem mais solteiros, menos voluntários e maior evasão escolar. No oeste, uma a cada quatro crianças frequentam a pré-escola antes dos 3 anos. No leste mais da metade. Uma a cada 3 crianças recebem orientação religiosa no oeste. No leste uma a cada oito.

Segundo esta mesma pesquisa – quanto ao tema imigração – a Alemanha também está dividida. A tolerância para o fênomeno no leste é menor que no oeste e radicalismos de direita são mais frequentes na região leste do país.

Os alemães do leste vão raramente para as urnas e têm salários mais baixos. Possuem rendimento bruto estagnado há anos com margem de 25% inferior aos alemães do oeste. Também a produção nas empresas, após um rápido crescimento nos primeiros anos de unificação, atualmente não se aproxima das taxas do nível  ocidental.

Mas afinal onde estão as semelhanças entre o leste e o oeste?

  • As mulheres têm o mesmo número de filhos
  • Mães que trabalham (fora de casa) são bem vistas em ambos os lados
  • todos têm acessos à todos os programas de televisão
  • o telefone é acessível em todas as partes

Uma notícia conclusiva: o fluxo de migração do leste para o oeste foi estancado.

 

Tradução resumida do artigo “Was Ost und West noch trennt” – Rhein-Hunsrück-Zeitung, em 23.07.2015. As informações da pesquisa do Intituto berlinense foram divulgadas por seu diretor:  Reiner Klingholz.

 

 

Beijos e

um lindo dia!

 

(Des)Amor

Domingo, Julho 12th, 2015

Não sei porque sonho com antigos amores

e novas decepções.

A vida é uma eterna corda bamba.

Firme-se, afirme-se, cuide-se.

A  cada segundo você pode cair.

Prepare-se para levantar,

chacoalhar a poeira,

curar as feridas.

Secar as lágrimas.

Quem pode compreender a dor que dilata,

que dilacera sua alma?

Apenas você mesmo!

Prepare-se para sorrir.

O sorriso é a solução

para os problemas do coração.

 

Beijos♥

Linda tarde de domingo!

Navalha

Quarta-feira, Junho 3rd, 2015

Por um fio,

 acima dos trilhos,

àquem do limo.

Nada importa,

apenas a dor,

confusa no olor.

O sol pode ser sarcástico,

o topor cinza,

o sono, ameniza.

Amentradora confusão,

quem confronta,

a solidão.

Vazia, precisa,

amiga.

Para K, C, I, U e K,

com amor,

e dor ♥