Posts Tagged ‘mídia’

Consumo X Infância – dicas que nao custam nada

Segunda-feira, Setembro 12th, 2011

Os seres vivos e nao os inanimados sao capazes de nos tocar profundamente.

Vivemos num mundo abolutamente abarrotado de reclames. Nós mesmos adultos somos frequentemtente tentados a “cair em tentacao” frente aos comerciais super bem elaborados que quase nos fazem acreditar que seremos eternamente feliz se obtermos este ou aquele produto que pode ser encontrado fácil, fácil no mercado e por um preco “muito acessível”. A verdade já sabemos – nao sao “coisas” que nos fazem sentirmos melhor, além do que o que há de mais importante na vida nao se compra, se cultiva: saúde, amor, paz. No entanto, nos encontramos muitas vezes em febre de consumo,  um canal de fuga para certa frustracao, insatisfacao e/ou inseguranca. Como encaro todo execesso/radicalismo como prejudicial nao vou também deixar de “tentar” fazer schopping de vez em quando, pois nos faz bem ao olharmos  no espelho e estarmos (um pouco) de bem com a própria figura… porém penso que ter a necessidade de consumo sob “controle” é muito importante e um grande desafio, principalmente para as criancas já que elas sao ainda mais vulneráveis aos ataques constantes da mídia. Assim gostaria de compartilhar com vocês algo muito interessante que tive oportunidade de ler no caderno “Wissen” (saber) do jornal semanal – “Die Zeit” ( O tempo): 4 dicas sobre o que realmente as criancas precisam:

1- Dormir o suficiente: 11 a 13 horas de sono ao necessárias para as criancas entre 3 e 6 anos. 10 a 11 horas de repouso para as criancas entre 7 e 13 anos. Quando a crianca nao dorme o suficiente a sua capacidade de concentracao é altamente prejudicada. Também como consequência estao presentes comportamentos apáticos ou super agitados, além de problemas de distúrbios alimentares.  Ou seja, apesar das discussoes, o ritual de ir para cama em horário fixo é fundamental, além de um ambiente propício ao descanso.

2- Alimentaςao saudável: quanto mais atuais os números, mais altos sao os índices de crianςas obesas – 15% delas (entre 3 a 17 anos) têm problemas com obesidade. Entre as de 11 a 17 anos, sao  frequentes os problemas com distúrbios de alimentacao (mais de 1 em cada 5) – o que trazem como consequência obesidade, mas também extrema magreza ou bulimia. Assim aconselha-se pelo menos uma refeicao ao dia em família, também cozinhar juntos. Chips ou algo do gênero, assim como coisas doces sao tabus antes das refeicoes ou como forma de reconhecimento, elogio.

3- Brincar sozinho ao ar livre: O tempo na frente de uma tela tem sido esticado nos últimos anos. O quarto transforma-se em uma prisao dourada. No entanto, atividades ao livre como subir em árvores, correr, equilibrar-se (competências motoras) adquire-se brincando livre de super-protecao. A confianca em si mesmo, a relacao saudável com o meio ambiente adquire-se explorando concretamente o meio, em relacao direta com a natureza. Ou seja caminhar sempre que possível ao invés de usar o carro, brincar ao ar livre. Cabe aos pais confiarem nos filhos e deixá-los explorar o meio, logicamente com o poder de informacoes fundamentais como com quem estão, onde, até quando.

4- Ler e ler em voz alta: ler em voz alta é algo muito importante para o desenvolvimento dos pequenos, assim como leitura constante. Os especialistas de saúde e educaςão  são unânimes: pessoas que lêem têm mais chance para qualificaςão. Ou seja, apesar de toda a correria do dia-a-dia – os pais necessitam de ter e alimentar o hábito de leitura de seus filhos.

Agora – 4 dicas sobre o que as crianςas realmente nao precisam:

5 -Uma televisao exclusiva no próprio quarto;

6- Mais brinquedos ainda;

7- Lamúrias;

8- Pais com sentimentos de culpa – repense a qualidade de sua relação com o seu (sua) filho (a). O sentimento de culpa não ajuda em nada, portanto lute contra ele. Atente para o tempo e a atencão que você dispensa para o (a)  seu (sua) filhote (a). Disponibilize sempre que puder mais tempo e nao dinheiro.

Beijos e espero que possa ter contribuido um pouco com vocês  para ajudá-los na árdua e divina tarefa de educar os filhos. Para mim pessoalmente o artigo foi super válido.

Dicas  traduzidas (resumidamente) – jornal “Die Zeit” n° 37, 08.09.11. Uma versao detalhada encontra-se em www.zeit.de/erziehungstipps

Espelho meu…

Sexta-feira, Agosto 13th, 2010

"Ame ao próximo como a ti mesmo" - como podemos amar ao próximo quando nao nos amamos?

“Eu nao entendo porque tantas mulheres sofrem quando comemoram mais um ano de vida. Nao comemorar mais um ano de vida seria sim  uma catástrofe” – Livi Ullmann

“Mais tarde, vou ser velha”  – Iris Berben

“Meu rosto nao vai para uma clínica médica… Nao vai estar sob exame médico,  meu rosto e suas marcas retratam  a  minha história” – Julia Roberts

O pensamento expresso através das palavras destas três grandes damas da arte, que eu aleatoriamente lí nestes últimos dias, ressoaram de forma muito linda e harmoniosa em minha alma de mulher. Afinal eu sou apenas uma entre milhares que já passaram dos quarenta e felizmente receberam duas vezes  a graca dos céus por ter vivido a concepcao, gestacao e nascimento de dois lindos bebês que foram amamentados por longos e inesquecíveis meses…

Fato  é que com o passar dos anos e principalmente depois que nos tornamos maes, os nossos corpos adquirem certas marcas  que quando sao por nós atentamente analisadas, através de um espelho –  nos incomodam bastante e podem nos levar até ao desespero… se ficamos pensando muito no ideal de corpos que a mídia tenta nos empurrar de todo jeito, goela abaixo: longas pernas, lindas coxas, sem qualquer celulite… nem uma grama extra de barriga (oh Gott!), seios aprumados, rostos sem sombras de rugas, cabelos sempre brilhantes e cheios de volume, etc… nem quero entrar em detalhes aqui, pois vocês já sabem tudo o que existe nas entrelinhas.

Eu muitas vezes tenho sim receio em observar criticamente a minha aparência física no espelho e sinto um pouco por nao ter tempo e disposicao suficiente para praticar esportes ou cuidar das unhas. Me pego também, às vezes  com dor na consciência quando estou tomando uma cervejinha e comendo uma  pizza ou um bom pedaco de carne com batatas. Mas, por outro lado, eu penso comigo mesma… sabe quê? Eu sou apenas humana!  Por que tenho que me privar de tantas coisas simples que posso e quero saborear? Nao se pode esquecer que a vida é muito curta e que todo  tipo de radicalismo é doentio! Assim, por favor, vamos nos permitir fazer o que gostamos de fazer e vamos comer o que gostamos de comer… claro que tudo com moderacao, porque acima de tudo está a nossa consideracao, a nossa satisfacao e  o nosso respeito para conosco mesmas…. senao, logicamente, nada vai funcionar em nossas vidas – com celulites ou sem elas, com rugas ou sem elas, com algumas dobrinhas ou até mesmo  sem elas…

Beijo carinhoso!