Posts Tagged ‘Revista “Brigitte”’

Mulher: Quebrando tabus (I)

Quarta-feira, Novembro 14th, 2018

Criatividade cognitiva, perpecepção do belo, equilíbrio: Depois da menopausa se inicia um tempo feliz.

Nós estamos acostumados a perceber a vida como uma curva geométrica: nascemos, crescemos e nos desenvolvemos, nos capacitamos e fortalecemos nossos talentos até atingirmos o auge da maturidade.  Apartir de então, acreditamos que entramos em declinio: perda das forças, queda de cabelos,  dores articulares, perda da capacidade visual, desajeitamento. “No entanto, quanto mais aprendemos sobre a chegada da Idade, mas claramente percebemos que é totamente falso se afirmar sobre  uma regressão generalizada”, ressalta a psicóloga Laura Carstensen, a qual pesquisa sobre a Idade na Universidade de Stanford. Pelo contrário, esta fase da vida traz consigo consideráveis melhorias em muitas áreas. Ao invés de associarmos nossa vida com uma curva geométrica, deveríamos sim compará-la com uma escada: O ser humano se aprimora  ininterruptamente  ao longo de sua vida.  A expressão  grega”Climatério” não é totalmente nova e significa subindo a escada até o degrau  mais alto. Algo  muito diferente de retrocesso. Mas o que se passa nesta “terceira idade”da vida, como a atriz Jane Fonda a nomeou? Historicamente nesta fase de nossas vidas nos encontramos em uma única e sobretudo excitante situação, sendo que suas consequências  ainda não foram cientificamente pesquisadas, pois em um curto espaço de tempo (120 anos) nossa expectativa de vida   praticamente duplicou. Com isso atualmente as mulheres que se encontram após menopausa ou climatério têm muito mais tempo ou perspectiva de futuro do que qualquer geração anterior. E paralelamente se sentem surpreendemente jovens: Segundo uma pesquisa as mulheres modernas se sentem 11 anos mais jovens do que realmente são! E não se trata apenas de aparência. Estudos também comprovam que mulheres maduras se sentem mais felizes que as jovens. Sociólogos “falam” sobre um fenômeno que dominaram “Paradoxo das idades”: Pois o fato de se envelhecer trás consigo perdas, no entanto elas estão associadas a menos stress, preocupações e a simples satisfação com a vida intensifica-se. Somente em idades bastante avançadas, no fim da vida, percebe-se uma leve regressão – esclarece Carstensen, “mas jamais tão perturbadora como nos anos de juventude.”

 

Tradução (1a parte) do artigo “so gut ging’s mir noch nie”/ ” Eu nunca estive tão bem” de Antje Brunnabend.

Revista Brigitte Nr5 2018

 

 

“Carreira é mais importante para as mulheres do que filhos”

Sábado, Setembro 30th, 2017

Pesquisa: O que as mães esperam do Estado

Berlim: As prioridades de vida entre homens e mulheres se assemelham cada vez mais. Este é o resultado de uma pesquisa da Revista feminina “Brigitte”. O desejo de “igualdade” é grande, mas ainda não se concretizou, afirmou Brigitte Huber  (chefe redatora) durante a apresentação dos resultados da pesquisa ” Minha vida, meu emprego e eu”.

2000 homens e mulheres entre 18 e 69 anos responderam à perguntas relacionadas à carreira, ao desejo de ter filhos, salários e  serviços domésticos. As respostas apontam na direção de que as mulheres nos dias atuais têm fortes ambições, assim como os homens de seguirem uma carreira. Sobre o significado/importância do trabalho – o peso é equivalente para homens e mulheres. Apenas para as mulheres (82%) é mais importante do que para os homens (74%) o contato com  pessoas no campo profissional. Sem dúvida, para ambos  a flexibilidade financeira e as atividades significativas no dia-a-dia que o trabalho proporciona são fundamentais.

Tornarem-se mães pelo contrário, não é realmente um aspecto prioritário para as mulhures no se refere à realização pessoal, afirma Brigitte Huber.  A independência financeira para 94% das entrevistadas é absoluta prioridade. Apenas 68% mencionaram sobre  o desejo de se tornarem mãe.

Esta nova prioridade feminina se explica, segundo a técnica em comunicação e sexóloga Christiane  Funken  (Universidade Técnica de Berlim) através dos altos índices de separação e o medo da pobreza na velhice. (…). A verdade é que ainda é muito difícil  se conciliar a vida profissional com as responsabilidades de mãe e os deveres de casa. Como alternativa para a superação deste entrave, as entrevistadas sugerem um aumento signifitivo do valor (Kindergeld)  repassado pelo Estado (através de impostos ) para as famílias, mais flexibilidade de horários de trabalho e outras formas de atendimento  às crianças independentemente do círculo familiar.

 

Tradução livre “Karriere ist Frauen wichtiger als Kinder” – Rhein- Hunsrück- Zeitung

 

Uma drástica realidade!

Para se pensar. Nós Mulheres somos realmente muito  mais que mão-de-obra…

 

Beijos e uma linda  semana!