Posts Tagged ‘Sentimentos’

Antônimo/Anti-ânimo

Quarta-feira, Dezembro 11th, 2013

"Dance como se ninguém pudesse te ver. Ame como se seu coração nunca houvesse se quebrado. Cante como se ninguém pudesse te ouvir e viva como se não houvesse um amanhã."

Vazar-se da sensibilidade.

Transformar o coraςão em pedra.

Acercar-se de muros.

Livrar-se da capacidade de sorrir.

Tapar os poros de cimento.

Alimentar-se da ganância.

Crer em nada.

Esquecer-se de observar o fascínio diário do nascer e do pôr do sol.

Desviar os olhos do olhar interrogativo de uma criança.

Não ter  a capacidade de tentar movimentar-se no ritmo de uma música.

Não saborear a delícia da água escorrendo pelo corpo e através da garganta.

Não se alegrar com o  milagre da sonoridade da própria respiraςão.

Fugir do calor aconchegante da pele de suas crias.

Não ter tempo para a felicidade.

Existem possibilidades mais deprimentes?

Beijos.

Soneto 11- um soneto de amor!

Domingo, Julho 8th, 2012

Camões, uma visão fascinante do alto do Corcovado e Picasa, para completar!

Fui convidada hoje para escrever algo sobre o “Amor”. Achei o convite muito simpático, mas o que me veio à cabeςa imediatamente foi este soneto de Camões que tive que decorar – há anos atrás, como uma atividade para nota em Português. Como naquela época eu estava numa fase muito romântica não tive problemas com a imposiςão do professor, além do que achei lindo demais  e por isto mesmo resolvi compartilhá-lo com vocês neste explêndido fim de tarde de domingo.

“Amor é fogo que arde sem se ver,

é um contentamento descontente,

é dor que desatina sem doer,

é um não querer mais que bem querer,

é solitário andar por a gente,

é nunca contentar-se de contente,

é cuidar que ganha em se perder,

é querer estar preso por vontade,

é servir a quem vence, o vencedor,

é ter com nos mata lealdade.

Mas como causar pode o seu favor,

nos coraςões amizade, se tão contrário a si é o mesmo amor?”

Luís Vaz de Camoes

Beijos!

E para concluir eu não poderia deixar de incluir neste post algo da Legião Urbana, cuja inspiraςão para a criaςão da música “Monte Castelo” foi exatamente este trabalho de Camões. Interessante como ambos continuam tão atuais apesar do decorrer dos anos…

Sonhos e metas

Segunda-feira, Junho 11th, 2012
Aufwiedersehen - até a vista!

"Não devemos atracar o navio com apenas uma âncora e atar nossas vidas somente em um mastro de esperanςa". Epiktet

Uma nova semana… novas perspectivas… novos desafios e surpresas. Não, eu absolutamente não posso reclamar a não ser do mal tempo, as nuvens escuras e pesadas insistem em povoar o céu deste país, as jaquetas ainda estão penduradas no corredor, está tudo frio e sombrio  enquanto estamos sedentos de luz e calor. Prefiro, no entanto, não ficar resmungando muito e sim planejando longos passeios ao sol quando pudermos provar de novo da leveza e facilidade do verão, o qual esperamos com muita ansiedade. Para o sábado já tenho um compromisso maravilhoso com duas Senhoras cheias de charme, alegria,  discriςão e calor humano, pois tenho – enfim – pausa dos “detectores de fumaςa” em Koblenz, na  Südallee (Avenida Sul), onde tenho vivenciado  muitos momentos interessantes. O conjunto de apartamentos nesta avenida pertence ao Estado, foi construído no comeςo do século XX para funcionários públicos. Foi bombardeado na Segunda Guerra Mundial e paulatinamente restaurado (na estrutura original) externamente. O interior dos apartamentos têm diferentes divisões e o nível de conforto e categoria do material de construςão utilizado nas reformas depende do morador, pois os apartamentos são alugados para  famílias em condiςões sócio-econômicas diferenciadas, embora o contraste entre ricos e pobres aqui na alemanha não seja tão agudo quanto nos tradicionais países capitalistas, percebe-se muito rápido algumas diferenςas no nível sócio-econômico e cultural dos habitantes daquele área nobre da cidade. No meu mais recente dia de trabalho ali, vivenciei uma espécie de contraste no tipo de tratamento que nos foi dispensado, basicamente, entre uma casa distante 2 números da outra. Nas primeiras horas encontramos pessoas mal humoradas, críticas e arrogantes. Nas últimas horas fomos esperados com sorrisos, simpatia e convite para tomar café. Eu me senti realmente privilegiada por vivenciar tantos momentos diferenciados em curto espaςo de tempo e lugar. Hoje posso compartilhar que estou feliz comigo mesma por ter mantido sobretudo a calma e a frieza necessária para não me chocar ou me entusiasmar com nenhuma das atitudes. Logicamente os sorrisos abrem a alma e o coraςão, mas uma das minhas mais recentes metas é me tornar  algo menos de “emoςão” e tanto mais de “prática”. Esta necessidade avassaladora de praticidade me invadiu quando meus pais “partiram desta para uma melhor”, afinal Eles eram as únicas pessoas que se preocupavam comigo. Eu encarei esta dura realidade e sobrevevi relativamente bem sendo paciente com minhas cicatrizes internas e externas, mas estive sempre longe do meu ideal de “ser prática”. Ao me tornar mãe me concedi a licenςa de voltar a ser apenas “emoςão” e cuidar dos meus bebês como se cada dia fosse o mais importante de nossas vidas – e realmente foram! Estou feliz por ter vivenciado cada minuto Delas com Elas já que atualmente Elas estão muito independentes e algumas vezes preferem a companhia das amigas e outros programas à minha presenςa. Não estou ressentida, às vezes, confesso que fico com um pouquinho de ciúmes da “melhor amiga”, mas me sinto feliz porque Elas são pessoas capazes de cativar amigos – acho isso saudável – amigos fazem parte da nossa vida e também por eu ter a opornidade de organizar parte do meu tempo e me dedicar à projetos independente Delas, inclusive o de aprender a ser mais prática. Não gosto mesmo do meu lado embolado! Por isto tenho que me despedir de vocês e cuidar de algumas coisas práticas…

Beijos e linda semana!

A Fórmula mágica…

Quarta-feira, Março 14th, 2012

"Prevenir é melhor que remediar".

para quando se sente raiva, medo ou enfrenta-se problemas. Sentimentos desconfortáveis como estes são inerentes à vida. No dia-a-dia eles causam, frequentemente, discórdias e separam as pessoas. Para evitarmos isto foi apresentada à nós a “Fórmula mágica de Klaro”. Ela é muito fácil de ser aplicada e ajuda também na rotina familiar.

Experimente:

1-Stopp!

Antes de agir  de forma impensada, eu tenho que…

2-Acalmar-me

Para isso devo respirar fundo três vezes. Então…

3-Pensar

  • O que aconteceu?
  • Como eu me sinto?
  • Qual seria uma situaςão mais agradável para mim que esta?
  • Como eu posso dizer isto?

Parece muito simples, mas achei fascinante quando Victoria chegou da escola ontem me explicando a fórmula de Klaro – o pequeno mascote do projeto pedagógico que vem sendo trabalhado na escola, o qual tem como objetivo básico combater e prevenir o vício e a violência no ambiente escolar e na família. Considero o projeto espetacular pois através dele as crianςas já com 6, 7 anos aprendem a conhecer, entender  e trabalhar os próprios sentimentos, algo que muitos de nós adultos ainda não aprendemos, infelizmente.

Ps. Outras informaςões sobre “Klaro” você pode ler aqui mesmo no meu blog:

Simplesmente, “Klasse”!

Prevenir é melhor que remediar – parte 1:

Beijos e um lindo dia ainda!

Depres-

Sexta-feira, Julho 8th, 2011

Algumas vezes a nossa fragilidade nos incomoda.

sao. A palavra é tão pesada quanto o seu significado. Qualquer um de nós está sujeito a ter que enfrentá-la em algum momento da vida. Não importa a condição social ou financeira. Ela nos abate a todos, mais cedo ou mais tarde, com muita ou pouca intensidade. A forma como reagimos à ela é que faz a diferença… Algumas pessoas ao enfrentarem situações difícieis, conflitantes, tristes, decepcionantes – após um período de dor e lágrimas, lavada a alma – conseguem levantar a cabeça, sacudir a poeira e seguir em frente. Quando vivenciamos experiências negativas precisamos e devemos nos proporcionar um período de introspecção para experimentarmos, entendermos e esgotarmos os sentimentos que nos machucam, porém sob o meu ponto de vista este período não deve durar muito, senão acaba por amargurar o coração, a alma, o nosso corpo e nossas relações, além do que não nos traz nenhum resultado positivo. O que fazer então quando não estamos dando conta de sair do casulo da tristeza, da decepção da amargura, da escuridão de um período depressivo? A resposta é óbvia: buscar ajuda. Sim, mas onde? Quem pode me ajudar? Quem pode abrir uma fresta da janela cerrada da minha existência? Com quem falar se os amigos e as pessoas da  família não me ouvem? Não me entendem? Não têm tempo para as minhas lamentações? Quem ainda suporta ouvir e tentar entender o que nem eu  mesma muitas vezes sou capazes de expressar através das palavras?

Há alguns anos atrás, após o falecimento da minha mãe, eu mesma enfrentei um período  crítico de depressão. Não apenas pela “perda” de uma pessoa que eu amava e admirava muito, mas porque eu comigo mesma enfrentava uma fase de turbulência profissional, afetiva e tudo mais… Eu não entendia de forma alguma a minha insatisfação, tristeza e falta de perspectivas, embora não me faltasse, no fundo, nada. Eu não entendia os meus sentimentos, não sabia como expressá-los, tinha medo daqueles considerados negativos e sobretudo de falar sobre eles. Em um dia qualquer, em meio da rotina e da necessidade automática de sair da cama todos os dias para encarar mais um dia de trabalho –  li um anúncio em algum lugar que não me lembro mais: aconteceria daí em algumas semanas um curso para voluntários do CVV – Centro de Valorização da Vida. Eu não sabia nada sobre a instituição, mas achei a proposta tão interessante que me inscrevi para o curso, tomando uma atitude expontânea. Na verdade eu pensei em preencher um grande vazio na alma quando talvez pudesse ajudar alguém, mas como o destino é muito bom e a vida uma escola maravilhosa – eu fui a primeira a ser ajudada enquanto frequentava o curso para ser voluntária. Através dele e pessoas muito especiais que tive o prazer de ali conhecer, eu aprendi que não temos que ter medo dos nossos sentimentos – tanto faz se lindos ou horríveis… precisamos sim experimentá-los, vivenciá-los, falar sobre eles, esgotá-los. Assim nos sentiremos, sem dúvida, muito melhores conosco mesmos, pois haverá  espaço interno para a luz e a paz – nossa ótica, percepção e perspectiva de mundo será mais positiva.

Escrevo hoje um post sobre o CVV anos depois, de forma bastante egoísta, abandoná-lo, não porque eu esteja deprimida, mas porque li um artigo de jornal que me lembrou esta instituição maravilhosa que promove “possibilidades de vida” ou “possibilidades qualitativas de vida”. Me informei através deste artigo que na região onde moro – Rheinland Pfalz (Renânia Palatinado) existe uma instituição que também foi criada, assim como o CVV, com o objetivo de prevenção ao suicídio, o qual representa a consequência mais dramática que um estado depressivo pode atingir. Um suicídio é um pedido tardio de socorro para dores penetrantes/insuportáveis na alma. Para evitar esta atitude há pessoas que estão 24 horas por dia atrás de um aparelho de telefone para atender pedidos de ajuda. Não importa para Elas o seu nome, sua profissão, sua condição civil ou financeira. O atendimento é realizado entre pessoas, não números ou informações para formulários. Apenas o como você se sente realmente importa. O título do artigo: bei Depressionen ist Scham kein guter Ratgeber – quando a questão é depressão a vergonha não é uma boa conselheira. 474 pessoas trabalham no Estado no programa de “Telefonseelsorge”, cujo número é 0800/111 o 111 e 0800/111 0 222.

Por detrás da sigla CVV existe o compromisso de atendimento 24 horas por dia, o que inclui um número bastante elevado de voluntários, além de sede e telefones próprios. Por isto mesmo, ainda no meu tempo em Itajubá nós perdermos o direito a usar o nome CVV. Quanto à instalação e telefones próprios, através de várias ações foram adquiridos, porém quanto ao aumento do número de voluntários, apesar dos esforços, não conseguimos ter o sucesso necessário. Adotando um outro nome o trabalho, logicamente, sob os mesmos princípios seguiu em diante. Agora mesmo consultando tio Google encontrei esta informação:

Telefone emergencia de Minas Gerais

– [ Diese Seite übersetzen ]

www.lagoasanta.com.br/…/telefones_emergencia_minas_ge…

CVV – Centro de Valorização da Vida CVV – Centro de Valorização da Vida GAVI – Grupo de Apoio à Vida de Itajubá Hospital Júlia Kubistchek

Infelizmente, nenhuma informação extra. No entanto os CVVs estão espalhados pelas grandes cidades do país, ou visite! Você está convidado!


Beijos.

Atestado de saúde à la Alemanha

Terça-feira, Janeiro 25th, 2011

Por que simplificar, quando se pode complicar?

A cor cinza predomina lá fora. A típica cor do inverno. Acabei de observar pela janela que cai do céu uma mistura de neve e água. Sim, chove e neva ao mesmo tempo. Sinceramente ainda nao me acostumei com a frequência com que temos mal tempo neste país. Nao gosto de reclamar muito, sobretudo quando lembro das últimas catástrofes que a populacao do Rio e Sidney vivenciou nas últimas semanas. No entanto expor os sentimentos sempre nos ajuda na obtencao de luz interna, a qual é muito mais importante que a luz externa – da qual sinto uma imensa saudade neste momento.
A propósito, sobre a exposicao de sentimentos – me senti inspirada a escrever hoje. Preciso compartilhar algumas das minhas últimas experiências. Eu deveria agora estar passando a montanha de roupas que lavei na última semana, ainda mais considerando que tenho uma nova tábua de passar roupas, pois a última que tivemos já foi usada por mais de 20 anos, segundo meu marido – o qual nao podia olhar mais para ela e colocou na cabeca que precisávamos de uma nova. Ontem fui eu ( meio contrariada confesso, pois eu continuaria usando a velha, já que detesto passar roupa seja sobre qualquer superfície) aproveitando uma promocao da rede ALDI, comprar uma nova tábua de passar. Ao colocar a tábua no carro, me senti de novo irritada, pois o seu tamanho é desproporcional ao porta-malas e  conseguir ajeitá-la entre os bancos me custou um tempo que eu nao tinha. No entanto quando cheguei em casa fiquei impressionada quando ao desempacotar a tábua observei que a mesma trazia consigo um certificado de garantia de três anos! Eu nao pude deixar de rir e pensar em como eu me surpreendo tanto ainda com a cultura alema. Eu nunca havia pensado na possibilidade de obter garantia para uma tábua de passar roupas…
A mais pura verdade é que mesmo depois de estar vivendo mais de dez anos neste país, eu me espanto ainda em como certos detalhes desta cultura me parecem, infelizmente, incompreensíveis – outro exemplo: obter um atestado de saúde. Tem já umas duas semanas que estou feliz da vida pela possilidade de poder num futuro próximo trabalhar de novo com criancas e adolescentes, mesmo nao sendo diretamente a minha área – nao tem problemas. Apenas ao pensar em mais acao, acompanhada pela energia e alegria das criancas me senti rejuvenecida (ao menos internamente) uns 10 anos. Lógico, como nada é fácil, tenho que me capacitar para tal empreendimento – o que considero muito positivo! Como parte da burocracia para obter a licenca para o cargo, além da capacitacao vou precisar atestar que sou saudável… normal. Muito entusiasmada com as novidades marquei no comeco da semana passada uma consulta médica para ontem. Até meu marido me questionar sobre o quanto o “Atestado” custaria – eu tinha certo cá  com os meus botoes que tudo seria muito simples, já que eu sou (gracas a Deus) uma pessoa saudável. Eu me mostrei otimista, frente à sua afirmacao de que isto custaria algo mais que os 10 Euros (o que se paga antes de consultas – além claro do que  o seguro de saúde paga por uma consulta normal) afirmando que nao seria possível que um “simples atestado de saúde” para uma pessoa saudável seria algo complicado de se conseguir…
Minha consulta estava marcada para as 16.30 hs. Eu estava lá 10 minutos antes e absolutamente convicta que teria em maos o meu “Atestado de saúde”. Agora perguntem-me o que eu tive em maos?
_ O lembrete da minha próxima consulta. Eu tive uma consulta médica (pré-marcada),  apresentei o meu cartao do seguro, paguei os 10 Euros para que o médico ficasse  informado:

  1. Que eu preciso de um atestado de saúde (novamente, pois antes a secretária já havia obtido esta informacao, também o por que do mesmo);
  2. Que eu nao sou fumante;
  3. Que eu nao sou portadora de uma doenca.

E me informar:

  1. Que eu terei que arcar com o preco do “Atestado”;
  2. Que terei que marcar uma nova consulta para os exames.

Eu me depedi dele muito “alegre e agradecida”, pois sou uma pessoa diplomática e para nao deixar de ser, eu simplesmente respirei fundo e nao perguntei – de forma prepositada – o quanto vai custar este “Atestado de saúde”  com a simples  intencao de nao perder a tremenda disposicao que eu estava sentindo em “seguir em frente” e com “saúde física e mental”.
Estou dramatizando? Ou nao?

Beijos.

Ciúmes…

Sexta-feira, Novembro 12th, 2010

O ciúmes apenas em uma dose mínima pode fazer bem.

Um dos sentimentos mais comuns e que nos assalta a todos em vários momentos de nossas vidas. Por que, afinal de contas, sentimos ciúmes? E como superar a dor e o tormento que este sentimento nos provoca?

Esta semana li um artigo muito interessante sobre este sentimento que pode provocar muitos desencontros, tristeza, mágoa e incompreensao entre pessoas que na verdade se amam.

Muitas vezes temos medo dos nossos sentimentos e para nos proteger tentamos enfiá-los em gavetas, as quais  mantemos trancadas. Contudo eles nos perseguem mesmo assim,  a toda hora e a todo lugar, nos provocando a sensacao de desconforto, angústia, solidao e tristeza. Há anos atrás tive a experiência fenomenal de participar de um grupo de amigos chamado CVV – Centro de Valorizacao da Vida – onde eu conheci pessoas fantásticas e aprendi muito sobre os meus próprios sentimentos e a como  lidar com eles. Também ao ler este artigo pude compreender algo mais sobre o sentimento de ciúmes e me sinto, agora, motivada a compartilhar com vocês algumas informacoes que poderao ser úteis para um processo de auto-ajuda ou na compreensao de pessoas importantes para nós, as quais sofrem ou nos fazem sofrer por causa deste sentimento negativo.

  • De onde vem o sentimento?

Muitas vezes   o ciúmes predomina na relacao  porque há carência de auto-estima e se pensa que o outro é mais lindo ou interessante.  Daí a dúvida sobre o que se representa para a outra pessoa – até que ponto sou importante? –  além do questionamento constante sobre as próprias  habilidades, ou seja, o indivíduo experimenta o sentimento de ciúmes a medida que se sente inseguro quanto a si mesmo e quanto aos sentimentos das pessoas que lhe sao caras.

  • Ciúmes como um sinal:

que pode ser entendido como amor. Algumas pessoas podem se sentir vaidosas e felizes com cenas de ciúmes do outro, pois aí está um indício que tem peso na relacao, que o outro nao fica indiferente às suas atitudes e preferências. Porém, cuidado! O ciúmes quando se torna muito constante e insistente pode enervar… e muito! Muitos problemas podem surgir e tomar grandes dimensoes.

  • Consequências:

Quando o indivíduo é ou se torna muito ciumento acaba por tomar atitudes para “controlar”: atencao às chamada telefônicas, encontros a sós com amigos, etc… o que acaba se tornando um tormento para ambas as partes. Algo que nao traduz uma relacao de amor,  senao inseguranca, baixo nível de auto-confianca e medos, os quais por sua vez podem ser provenientes da infância.

  • O fim da relacao:

Os sucessivos desentendimentos e a desconfianca sem fundamento acabam transformando o indivíduo ciumento num assassino de relacionamentos.

  • O que se pode fazer?

A pessoa muito ciumenta pode ou deve procurar ajuda psicológica, pois o sentimento de ciúmes nao é genético e nao nasce conosco, nós o incorporamos, assim pode ser “desaprendido”, ou seja, pode-se aprender a nao ser ciumento ou ao menos ter menos ciúmes.

  • Dialogar:

Sobre ciúmes pode ajudar já uma boa conversa com uma pessoas confiável, mas com a vítima melhor ainda. Pode-se desatar muitos nós quando se fala abertamente sobre as preocupacoes e problemas que ocupam os pensamentos e o coracao. Possivelmente uma boa conversa poderá afastar muitos fantasmas que assombram a relacao através do ciúmes ou talvez evidenciar a real intencao do outro em realmente  provocar o sentimento de ciúmes no parceiro quando, por exemplo, paquera descaradamente – nao respeitando a pessoa que está ao lado.

  • Pensar em si mesmo:

É muito importante reconhecer os próprios sentimentos, os próprios fortes e fracos, ter claro para si mesmo o que é um ser humano de extremo valor. Se o outro realmente nao reconhece este valor e nao é capaz de fornecer apoio à (ao) parceira(o) provavelmente nao é capaz de reconhecer também o sentimento de amor, mas isso é azar só dele!

Texto base – Aliki Nassoufis; Rhein-Zeitung n° 262, 11.11.2010