Artikel-Schlagworte: „Trabalho“

„Carreira é mais importante para as mulheres do que filhos“

Samstag, 30. September 2017

Pesquisa: O que as mães esperam do Estado

Berlim: As prioridades de vida entre homens e mulheres se assemelham cada vez mais. Este é o resultado de uma pesquisa da Revista feminina „Brigitte“. O desejo de „igualdade“ é grande, mas ainda não se concretizou, afirmou Brigitte Huber  (chefe redatora) durante a apresentação dos resultados da pesquisa “ Minha vida, meu emprego e eu“.

2000 homens e mulheres entre 18 e 69 anos responderam à perguntas relacionadas à carreira, ao desejo de ter filhos, salários e  serviços domésticos. As respostas apontam na direção de que as mulheres nos dias atuais têm fortes ambições, assim como os homens de seguirem uma carreira. Sobre o significado/importância do trabalho – o peso é equivalente para homens e mulheres. Apenas para as mulheres (82%) é mais importante do que para os homens (74%) o contato com  pessoas no campo profissional. Sem dúvida, para ambos  a flexibilidade financeira e as atividades significativas no dia-a-dia que o trabalho proporciona são fundamentais.

Tornarem-se mães pelo contrário, não é realmente um aspecto prioritário para as mulhures no se refere à realização pessoal, afirma Brigitte Huber.  A independência financeira para 94% das entrevistadas é absoluta prioridade. Apenas 68% mencionaram sobre  o desejo de se tornarem mãe.

Esta nova prioridade feminina se explica, segundo a técnica em comunicação e sexóloga Christiane  Funken  (Universidade Técnica de Berlim) através dos altos índices de separação e o medo da pobreza na velhice. (…). A verdade é que ainda é muito difícil  se conciliar a vida profissional com as responsabilidades de mãe e os deveres de casa. Como alternativa para a superação deste entrave, as entrevistadas sugerem um aumento signifitivo do valor (Kindergeld)  repassado pelo Estado (através de impostos ) para as famílias, mais flexibilidade de horários de trabalho e outras formas de atendimento  às crianças independentemente do círculo familiar.

 

Tradução livre „Karriere ist Frauen wichtiger als Kinder“ – Rhein- Hunsrück- Zeitung

 

Uma drástica realidade!

Para se pensar. Nós Mulheres somos realmente muito  mais que mão-de-obra…

 

Beijos e uma linda  semana!

 

Share This:

A vida começa aos 50!

Freitag, 18. Juli 2014

"Alguns obstáculos em nossa vida, são apenas pedras que nós mesmos colocamos em nosso caminho". Irmgard Erath

Como as mulheres de 60 vivem atualmente:

Sociedade: Nas recentes décadas muitas coisas mudaram, e não apenas na moda. Porém, a igualdade entre homens e mulheres, continua sendo um processo não concluído.

Frankfurt: a chanceler Angela Merkel completou ontem 60 anos. A imagem das mulheres desta idade alterou-se radicalmente. No mesmo ano  de nascimento de Merkel – 1954 – comemoram também aniversário: a contora de Blues Bessie Smith e a danςarina Martha Graham. Atualmente, ao lado de Melkel artistas como Jutta Speidel ou Sabine Postel refletem a imagem atual das  Mulheres de 60 anos.

Cortes de cabelos práticos e modernos ao invés de penteados complicados e carreira ao invés de serviςos domésticos: „A imagem da mulher de 60 mudou completamente“, afirma Ulrike Mascher (75 anos):  Presidente das Associações Sociais VdK – Alemanha. As alteraςões comeςam na moda, afirma Ela. Se os kilos permitem, pode-se usar qualquer roupa. As mães provavelmente podem usar as roupas das filhas e vice-versa.

Antonio Weinitschke, representante da Associação de cabeleleiros afirma:  a mulher de 60 na atualidade, tem as mesmas características de uma mulher no ínício dos  40. O que mudou de forma tão significativa na vida de nós mulheres?

1- Moda: Mulheres com 60 anos, segundo a opinião de profissionais, podem usar todos os modelos. „Moda não tem mais idade“, afirma Nina Peter do Instituo Alemão de Moda. Jovens e Maduros, em termos de moda não se diferenciam mais tão drasticamente. Até mesmo no trabalho a forma padrão de se vestir foi superada (…). „Uma mulher adulta pode simplesmente combinar um Blazer com Jeans e sair para o escritório. Pode-se combinar tudo com tudo, atualmente“.

2-Cortes de cabelos: „A moda não tende mais a envelhecer como antigamente“, categoriza  Antonio Weinitschke.“ Os cortes conservadores dos anos 50 e 60 foram substituidos por cortes esportivos, simples e práticos. „A maioria das mulheres de 60 pintam seus cabelos. Os brancos são para pessoas com características muito especiais ou clássicas avós. Não precisa-se necessariamente de um corte super curto, deve-se observar qual o corte que se harmoniza com  cabeςa e corpo. Existem também mulheres de 60 com lindos cabelos na altura dos ombros.

3-Expectativa de vida: Mulheres de 60 anos, têm segundo as estatísticas, em média ainda 25 anos de vida a sua frente.(…). A expetativa de vida para as meninas que estão nascendo ainda será, claramente, mais elástica. Elas terão ainda provavelmente, segundo as pesquisas, outros 11 anos de vida, quando se compara a expectativa de vida das meninas nascidas no comeςo da década de 50.

4-Casamento e divórcio: Mais que 1/3 dos casais se separam – a maioria em funςão da iniciativa feminina. Até meados dos anos 70, na Alemanha, a culpa por separações era atribuida aos príncipes. Consequência: „Mulheres, na Alemanha Ocidental, por questões financeiras, não podiam se separar“ – afirma a socióloga Corinna Onnen. E complementa: „Quando se pretendia casar, as moças eram enviadas para uma escola de noivas (Brautschule), com o objetivo de se evitar qualquer erro na relação. A imagem da dona de casa satisfeita e feliz  deveria se sobressair em contraposiςão à submissão imposta através do domínio masculino. Na Alemanha Oriental a emancipaςão feminina foi um fator muito importante para o sucesso econômico da região leste do país.“

5-Posiςões de chefia: Uma posiςão de ponta? Para as mulheres, há 60 anos?  Impossível!

Até a regulamentação de novas leis conjugais e direitos de família nos anos 70, o marido poderia obrigar que sua esposa  se despedisse do seu trabalho, mesmo contra a sua vontade. Atualmente 110.000 dos 3,2 milhões da forςa de trabalho feminina que tem entre 55 a 64 anos, encontram-se em posições de chefia (Estatísticas do Governo Federal – Alemanha). Em 1993: 65.100 entre 1,2 milhões.

6. Família: No país, os cuidados com os idosos e doentes seriam, sem a mão de obra femina, catastróficos – reflete Ulrike Macher  (Vdk -presidente).  „A família ainda é a maior responsável pelo acompanhamento e cuidado com as pessoas de idade e doentes. E a dedicaςão é praticamente despendida por esposas, filhas ou noras e principalmente por Mulheres que têm em torno de 60 anos de vida. Muitas vezes também Elas ajudam seus filhos na educação e cuidados dos próprios filhos (…)“.

7.Emprego e Família: Apesar de todo o esforςo e avanςo na conciliaςão entre emprego e família, a socióloga Corinna Onnen afirma: „Quem se sente responsável pelos trabalhos domésticos? Poucos homens, ainda, se encontram neste barco. Enquanto as Mulheres conseguirem, sozinhas, desempenharem todos os papéis poderão dedicar-se à uma carreira. Quando Elas se deparam com suas próprias limitações então há dificuldades, e os problemas surgem.

Esclarece ainda  a socióloga: „O desejo da Mulher jovem em ser independente financeiramente e ao mesmo tempo ser mãe representa um grande desafio para os próximos 60 anos.“

Traduςão da matéria de Ira Schaible para o  Rhein-Hunsrück-Zeitung de 17.07.2014

Beijos, com esperanςa!

Lindo fim de semana para você, Menino ou Menina, que fez a gentileza de me visitar!

Share This:

„Quem procura (quase sempre) acha“!

Donnerstag, 22. Mai 2014

Matar o sonho é mutilar a nossa alma. Fernando Pessoa

O quantas vezes ouvi esta afirmação nos meus tempos de criança, não sei dizer. Assim como também não tenho nenhuma ideia sobre quantas vezes a repito aqui em casa. Se perde, se esquece ou não se encontra uma variedade incrível de „coisas“. Contudo, meu post hoje se refere à minha busca (desesperada) pessoal de um „Ausbildungsplatz“ ou seja um local de prática para meu curso de „Heilerziehungspflegerin“, o qual terá início em setembro. Logicamente, meu leitor conhecedor do idioma português, poderá estar se perguntando neste momento “ que diabo significa isso? E setembro está tão longe ainda, por que o desespero?

Sim, certas expressões alemãs são o diabo para se traduzir, em outras palavras posso esclarecer, como escrevi no post Perspectivas 50 – + x : … tomei a decisão de correr atrás de um diploma alemão e optei por uma profissão que corre paralela à minha atual, porém com desafios extras, pois trabalhar com „Pessoas Especiais“, ou seja deficientes físicos ou mentais – exige uma dose extra de paciência, perseverança e a capacidade de enfrentar muitos tabus. Não me importando com os entraves, estou segura, há alguns meses, que este é o trabalho que gostaria de ter para o resto da minha vida. Porém para me profissionalizar preciso da escola e para a escola preciso do trabalho, daí minha busca desesperada pelo meu „espaço de prática“, senão minha matrícula na escola teria sido em vão – uma lógica muito interessante neste sistema de curso profissionalizante na Alemanha, assim como o fato de que tudo se define e se organiza, por aqui, com muita antecedência. Planos a longo e longuíssimo prazos fazem parte da cultura europeia, por questões climáticas.

A boa notícia é que na última semana tive mais uma entrevista, como resultado um convite para conhecer a instituição e os clientes  (Hospitation)- o qual aceitei alegremente, mas no fundo me sentia muito pessimista por causa dos recentes insucessos com outras experiências. No entanto,  minha intuição – a qual traduzo como a voz dos anjos – me impulsionava à mais uma tentativa. E o resultado desta tentativa foi tão, surpreendemente, positivo que recebi a proposta de um contrato de trabalho numa instituição muito aberta e interessante (ninguém me perguntou sobre minha religião), na qual moram vários doces anjos enjaulados em corpos pouco móveis.

Me sinto tão feliz com a novidade, que titubiei em publicá-la. A alegria que sinto por esta nova perspectiva se contrasta com a tristeza que sinto por tantos fatos negativos que correm soltos por áreas do planeta como Nigéria, Afeganistão, Síria, Ucrânia e infelizmente Brasil. Com a aproximação da copa, o mundo observa mais atentamente o Brasil e infelizmente notícias ruins, destaques negativos são uma constante. Me alegrei, ontem, quando assisti um programa sobre o Brasil no canal Servus – Terra Mater, Wildes Brasilien – onde os personagens principais eram os animais da Floresta amazônica e do Pantanal. Nada sobre favelas, políticos, futebol ou samba.

A esperança é que continuemos implacáveis na procura por dias melhores para todos os seres do planeta, afinal „quem procura, acha“!!!

Beijos.

Share This:

Quotas

Montag, 24. September 2012

"Se você quiser que algo politicamente seja dito, procure um homem. Se você quiser que algo seja feito, procure uma mulher." Margret Thatcher

devem ajudar as Mulheres profissionalmente.

As mulheres têm as mesmas chances e direitos que os homens – isto é claro aqui  na Alemanha. No entanto, na prática, os homens têm ainda as melhores chances de  assumirem postos de confianςa e maior responsabilidade. Algo que naturalmente não é justo com relaςão às mulheres. Este é o motivo pelo  qual  havia muitas  discussões entre os políticos, sobre a possibilidade de incluir legalmente quotas em posiςões de ponta  para as mulheres . Pois bem, ao final da discussão a lei de quotas foi aprovada pelo Conselho Federal alemão. Agora o assunto será tratado pelo Parlamento Federal. Após as regularizaςões necessárias as grandes empresas terão que reservar um número de vagas no topo da administraςão exclusivamente para representantes do sexo feminino, pois atualmente as posiςões „chaves“ são quase que apenas ocupadas  apenas por homens.

Entre todos os envolvidos nas discussões quem mais se alegrou com a decisão do Conselho foi Ursula von der Leyen, pois há tempos Ela defendia o princípio de quotas. Logicamente nem todas as pessoas do círculo político e financeiro são favoráveis à esta decisão, inclusive entre as próprias mulheres há divergências. Algumas delas preferem que as empresas livremente  decidam conceder postos de confianςa não apenas para o homens, mas também para as mulheres.

Ps. Eu particularmente penso que a luta de foices está apenas comeςando! Me sinto bem por não ter qualquer intenção em ocupar um „lugar de ponta“ em qualquer instituiςão que seja. Filha de um machista e casada com um deles, admito estar  sempre na torcida para que nós mulheres tenhamos sim o direito a optar por estar ou não em „posiςões chaves“ e talvez a lei de quotas nos ajudem um pouquinho, pois sei que o jogo de xadrez que os homens jogam para ocupar tais posiςões tem regras bastante obscuras…

Beijos e linda semana!

Texto base:  Kindernachrichten -Rhein-Hunsrück -Zeitung, 22.09.12

Share This:

Técnica – amor X ódio

Donnerstag, 10. Mai 2012

Em um tempo muito distante eu sonhava que poderia me dar ao luxo de me manter longe de tudo que envolve o termo  „Técnica“. Eu sonhava profundamente que poderia me alegrar e me desesperar apenas com papéis,  livros, canetas, enciclopédias, dicionários,  projetos pedagógicos, fontes históricas, além de fraldas, panelas, rodos, vassouras,etc… etc…  Apenas agora depois de quase doze anos vivendo neste país e vinte anos sem meus pais confesso que me sinto orgulhosa por ter descoberto em mim o telento para a multifuncionalidade. A minha experiência de estar sem meus pais neste planeta foi dolorosa, pois no fundo são os pais (lógico, há execessão de regra) quem têm para nós os braςos abertos e acolheres quando estamos em fase de „fundo de poςo“, porém desesperadora também tem sido certas fases minhas neste país, onde o chique chama-se „selber machen“/“fazer você mesma“. Não posso „falar“ por outras brasileiras que vivem aqui, mas a minha experiência sendo casada com um ( quando convém à ele )-desses „típicos“ alemães, àqueles do gênero que preferem fazer tudo sozinhos, mesmo que  isto demore meses e custe nervos sem fim… é desconcertante. O fato é que para não ficar dando „murro em ponta de faca“ venho incorporando esta característica na minha personalidade  até por que é realmente muito mais prático e econômico quando você mesma pode seguir em frente com os seus projetos, sem ter que implorar por alguém fazer algo por você. Me encabula o fato de ouvir com tanta frequência a „falta de tempo“ das pessoas. É constrangedor solicitar uma ajudinha, até mesmo para as pessoas mais jovens ou mesmo para as crianςas, pois deduce-se automaticamente que ninguém tem tempo disponível para investir em assuntos ou projetos que não sejam absolutamente prioritários para elas mesmas. Se bem que tenho vivenciado isto no Brasil também, enquanto visita. Pensando bem, talvez isto aqui na Alemanha seja mais chocante porque se fala e se demonstra „na lata“ o que se pensa – diferente de nós brasileiros que muitas vezes usamos a diplomacia para não ferir sentimentos… (!). Não sei o que é certo ou errado, ou se há certo ou errado. Não estou aqui também para julgar pessoas e culturas, mas sim para compartilhar algo positivo: tenho acesso e posso garantir que funciona muito bem dois programas grátis para computadores para todos os interessados em trabalhar com fotos/imagens e ontem descobri o espetáculo de trabalhar também com a reprogramaςão de músicas. São aqui certos detalhes técnicos que eu nunca sonhei em aprender ou ter que aprender, mas como „água na bunda faz aprender a nadar“- e para seguir em frente com o meu trabalho numa nova coreografia, me ocupei ontem  com um programa e me senti depois a mulher mais realizada do mundo, pois tive as músicas que preciso exatamente no tempo e rítmo que andei estudando com minhas mais recentes e dedicadas danςarinas…

Sem mais „tempo“, aqui estão os super -anjos- programas que têm facilitado a minha vida:

  • Para o trabalho com imagens:

GIMP (32 Bit) – Download – CHIP Online

www.chip.de/downloads/GIMP-32-Bit_12992070.h…Bewertung: 95% – 15221 Bewertungen

vor 3 Tagen – GIMP (32 Bit) 2.8 Deutsch Free-Download kostenlos. GIMP im Ein-Fenster-Modus: Die Linux-Bildbearbeitung GIMP steht ab sofort in einer

  • Para trabalhar com audio:

WavePad – Download

wavepad.softonic.com.br/Diese Seite übersetzen
8 Bewertungen – Kostenlos – Windows – Multimedia

WavePad, download grátis. WavePad 4.46:

Só me resta desejar-lhes ótima diversão e afirmar com todas as letras: Você vai odiar e amar!

Beijos.

Share This:

Ampliando perspectivas…

Donnerstag, 4. August 2011

Mermuth é explêndida!

Exatamente assim me senti na última terca-feira – com a possibilidade de olhar algo além do presente imediato. Numa tarde fantástica tive o privilégio nao apenas de vivenciar um dia lindo de sol e de calor, mas também de receber uma visita inédita e também de fazer uma visita inédita. Neste dia tive a sensacao rara e deliciosa de que „tudo deu certo“ num dia muito mais produtivo do que eu poderia imaginar. Comecando pela manha, me senti obrigada a trabalhar muito rápido para tentar colocar o jardim em melhores condicoes para se tomar um café lá embaixo – o dia estava espetacular, depois de semanas de chuva e mal tempo, eu receberia a visita de uma das funcionárias do jornal Rhein-Hunrück-Zeitung, uma pessoa muito simpática que acabei conhecendo por puro acaso e na primeira vez que nos vemos, entre outros temas,  abordamos também na nossa conversa o fato de eu ter muito interesse pela História recente da Alemanha. Nao pude deixar de comentar (lógico, com certo orgulho! Sou apenas humana!) com ela – que tinha ido um pouco longe com este hobby e havia  escrito/ publicado um paradidático sobre a Alemanha Socialista (O Paraíso sem Bananas). Para a minha alegria ela ficou mais interessada na minha aventura literária do que eu poderia imaginar e me perguntou sobre uma possibilidade futura para saber mais sobre o livro e talvez organizar uma publicacao para uma das revistas internas do jornal. Lógico que a minha resposta foi afirmativa e tenho que admitir que depois de muitas semanas desta nossa conversa eu já havia desistido de receber qualquer mensagem do seu escritório, mas nesta semana tive sim o prazer de receber sua visita, tomamos café no jardim e conversamos sobre este trabalho meu e sobre a possibilidade de trabalhar num material próprio, sob perspectivas individuais –  experiências de pessoas que sobreviveram  à Segunda Guerra Mundial. Ela nao apenas me ouviu atentamente como prometeu me ajudar em relacao à algumas testemunhas. Nao sei ainda se vamos obter sucesso, mas estou feliz por receber uma ajuda tao valiosa e despretenciosa – um desses tremendos presentes da vida que a gente recebe quando se está quase desistindo de algo que parecia enraizado na alma. Sei lá por que muitas vezes sinto que tenho que remar exatamente contra a maré, ultrapassar limites que parecem insuperáveis, „dar murro em ponta de faca“… quem entende?

Nao importa, seguindo o fluxo dos acontecimentos e da agenda –  no comeco da noite eu estava de novo encontrando pessoas pouco conhecidas ou nada conhecidas, mas que a partir da próxima semana vou estar encontrando com muito mais frequência, pois já passei a trabalhar para o mesmo club esportivo que elas. Nossa chefe, uma pessoa muito linda que conheco desde que Laura tinha 18 meses, organizou para nós um primeiro encontro, numa atmosfera muito, muito agrádavel! Nao pude acreditar que ao invés de uma mesa redonda para tratar de planos e datas eu encontrei uma mesa posta no jardim e preparada com muito carinho – decoracao, canapés, velas e para tomar poderíamos ter água, sucos ou vinhos: secos, semí-secos, doces ou seja luxo absoluto! Contudo, apesar do acolhimento super gentil de cony nao pude estar tao à vontade considerando que sou „a nova“, mas ao fim da nossa reuniao de trabalho mesmo após tomarmos apenas água ou Weinschorle (vinho com água mineral gasosa) duas horas depois voltei para casa com uma sensacao agradável de grande aceitacao e sinceramente – „frio na barriga“ – na próxima semana estarei assumindo oficialmente as sessoes de esporte com duas turmas e nas próximas semanas com uma mais, ou seja 3 turmas. Incrível as surpresas que vamos vivenciando ao longo de nossas vidas… me sinto como se minha vida, neste exato momento, esteja tomando um novo rumo… o que me deixa um pouco tranquila é saber que estou de certa forma, mesmo há 10 000 kms de distância e num país tao diferente do meu, em um reduto que conheco – o reduto da Educacao. De novo uma oportunidade para envolver-me de corpo, alma, sangue e suor com pessoas… é ameacador, é apavorante, mas é o desafio me agrada muito!!!

Porque estou numa semana mais do que positiva hoje recebi expontaneamente a pergunta de uma Senhora muito elegante, inteligente e bem humorada – apesar dos seus 70 + anos –  a informacao de que gostaria de conversar comigo sobre as suas experiências pessoais em torno da  Segunda Guerra Mundial. Já havia conversado um pouco com ela sobre os tempos de Hitler, mas hoje ela tomou a iniciativa de me perguntar se quero mesmo registrar suas memórias daqueles dias – eu respondi muito rápido: Ja!! Wenn Sie Zeit für mich haben!

Sabe que? Ela estava feliz e eu também!

Hoje ainda tive a oportunidade maravilhosa de visitar uma grande mulher – Aricélia, que estava muito bem acompanhada pelo docinho da Cíntia. E quem me acompanhava? Só grandes mulheres: D. Eloísa, Regina, Laura, Victoria, Sarah e Aline (nomes por ordem de idade – breve info).

Ou seja, nao posso reclamar de nada… o mundo está em ordem (mesmo que seja „por enquanto“!)

Beijos.

Share This:

Perspectivas…

Montag, 27. September 2010

Nao se pode deixar a peteca cair...

É o comeco de uma nova semana. Eu tenho mais uma chance de optar por escrever sobre o que povoa os meus pensamentos. Sao muitas as impressoes, experiências e impactos que vivenciei nos últimos dias. Os sentimentos se misturam, alguns sao  positivos e outros negativos. As preocupacoes pessoais se alteram com as preocupacoes globais. Tenho imagens, cenas e vozes das minhas filhas, do meu marido, de alguns artistas e de alguns políticos soando em meus ouvidos. Muitas notícias de jornais praticamente dancam na minha memória,   títulos de reportagens pulam de um jeito desordenado por trás dos meus olhos.

No entanto, antes mesmo de comecar a escrever este post eu já estava decidida que precisaria expor o que de mais profundo me impulsionava a abrir o Lap top, deixar tudo o mais pendente  para registrar os meus pensamentos.  A partir da minha visao „bastante parcial“, estive de novo pensando sobre o papel da mulher num contexto geral. A mim nao me agrada o tom de uma feminista declarada, assim como abomino teses machistas de superioridade. Eu sempre sonhei que seríamos capazes de compreender e conviver pacificamente com a verdade  de que  homens e mulheres têm talentos diferentes. Porém, a cada ano que passa eu tenho a impressao de que eu sempre sonhei demais – o mundo ainda é bastante machista. Em quase todos os continentes a mulher ainda tem uma condicao de submissao. As mulheres do mundo muculmano, em sua grande maioria, vivem uma absoluta resignicao escondida  sob as suas vestes… Burca, Chador, Niqab – as quais reduzem essas mulheres/pessoas e  o que elas significam, representam a quase nada. No mundo muculmano elas sao invisíveis, aqui no mundo ocidental sao muito visíveis, mas nao compreendidas e sao desprezadas por nós.

Em uma outra parte do mundo, pertencendo a uma  outra cultura – na China, que em termos econômicos avancou espantosamente nos últimos anos – as mulheres sao repetidas vezes tratadas  apenas como „uma mercadoria“, a qual pode ser simplesmente descartada quando nao vendida.

As mulheres latinas, na sua maioria, vivenciam ainda o dilema entre o sonho em encontrar  um príncipe, com o qual será feliz para sempre e a verdade absoluta que sem fazer uma carreira profissional nao tem lá chances de realizacao. As europeias já fizeram, faz tempo, a opcao pela realizacao profissional, por seres independentes da figura masculina, porém o   instinto maternal, como é natural e para o bem da humanidade nao foi afogado entre os compromissos da agenda profissional e privada. Ser mae, ter uma família ainda é  importante para uma boa parte das europeias, mas conciliar os interesses da família, os próprios e todas as obrigacoes profissionais e privadas acabam quase que tirando o tempo dessas mulheres para respirar.

Quanto a mim, há dez anos atrás eu abandonava a minha vida profissional para ter uma chance em viver a minha aventura romântica. Hoje tenho mais que romance, tenho duas filhas, as quais me proporcionam razoes de sobra para eu sentir-me realizada como mae. Mas tenho que admitir que a minha independência econômica me faz uma falta danada e sobretudo as minhas perspectivas profissionais. Nicht auf geben – nao desista, tento convencer-me sempre que me sinto desanimada e recordo-me da sorte que tenho em ser eu mesma e poder ser eu mesma, mesmo que para isso tenha que, algumas vezes, levantar a voz aqui em casa para garantir o meu espaco, pois a auto-estima deve ser mantida e polida, já que o sentimento de frustracao, por nao se ter uma carreira brilhante, pode bater de vez em quando, mas nao pode absolutamente tornar-se crônico.

Escrevendo de um jeito meio feminista – nós mulheres temos que nos valorizar, nos respeitar, tratar-nos com carinho e consideracao, pois os homens já se tratam assim e faz muitos séculos…

Beijos e linda semana!

Share This: