Artikel-Schlagworte: „Vida“

„Como nossos pais“

Donnerstag, 16. August 2018

Hoje vivenciamos um dia extraordinário de verão. A natureza nos presentea bondosamente o calor do sol e na medida certa. Nossos corpos e almas podem simplesmente se deleitar na delicia do céu azul e se embalsamar nos sons da natureza. Sou grata ao universo pelo bálsamo de poder me misturar nesta calmaria de tons fascinantes. Apenas o contraste da minha alma cinza dolorida pela dor da minha cria sobressalta-se ao espetáculo natural e sensacional que o dia apresenta. Desde que me tornei mãe e acredito que este seja um fênomeno natural à maioria das mães e talvez de pais também… Não sei… Afinal nunca fui pai… As dores dos nossos filhos nos massacram muito mais que as nossas próprias. As nossas dores passam a não ter muita importância, seja qual for a intensidade delas. No entanto, as dores dos filhos nos atravessam de tal forma que podem nos tirar, literalmente, dos trilhos. E hoje foi um desses dias, nos quais eu sai dos trilhos para defender a integridade da minha criança que decidiu a aproximadamente três anos não ser mais criança e a se aventurar nas alegrias e decepções de amores. Estes amores que nós próprios buscamos um dia e também naqueles tempos preocupávamos nossos pais e não conseguíamos muito bem entender suas angústias, preocupações… E a dificuldade de se ouvir o „eu avisei“…

„Me diz porque que o céu é azul… me explica a grande fúria do Mundo…“

Agora depois de tantos anos e considerando minhas próprias crias… evito ou tento evitar  o „eu avisei“ até porque não diminui em nada a dor de uma decepςão que dilacera ou o receio de consequências de atos inconsequentes. As tentativas para suavizar as dores e os medos dos filhos me parecem como as ações de Dom Quixote… Colossais e ineficientes e o quanto é doloroso vivenciar os filhos crescendo não apenas com seus acertos, mas sobretudo com os seus erros. Como é difícil não ser capaz de conter as experiências negativas que dilaceram em alguns momentos a vida de nossos filhos. E como é quase insuportável a dor de observá-los através da amargura de decepções. Me resta hoje, neste momento… Apenas aceitar as regras da escola da vida: Elas são severas, mas eficientes. Se aplicam  também  aos nossos filhos independentemente de nós e nossos pais…

Beijos

Share This:

„Quem inventou o amor…“

Montag, 6. August 2018

Estes dias que você pensa que já viveu tanto e que nada mais pode te surpreender…. então você perde o chão debaixo dos pés e já não se reconhece…

Share This:

Sobre o peso da negatividade…

Freitag, 16. März 2018

„… Damit wir uns in diesem Chaos zurecht finden und die Aufgaben des Alltags bewältigen zu konnen brauchen wir die Fähigkeit Unwichtiges auszublenden und unsere Aufmerksamkeit gezielt auf die wichtigen Dinge zu lenken…“

„… Para que possamos nos encontrar ao meio deste caos e poder realizar todas as nossas tarefas diárias, precisamos ter a capacidade de ignorar banalidades e direcionar nossa atenção de forma objetiva no que realmente é importante…“

Não sei onde li este pensamento, nem quem escreveu. Tenho a mania desde sempre de anotar em qualquer papel que encontro a  minha frente o que leio e bate com meu estado de espiríto daquele momento. Não sei também a quanto tempo tenho estas linhas registradas em um caderno usado. O fato é que ontem encontrei este registro e ele de novo me fez pensar sobre a minha ansiedade dos últimos tempos. Tentei analisar a minha ansiedade e angústia (infundadas)  das últimas semanas. Sou uma daquelas criaturas que na verdade não devem se dar ao direito de reclamar de nada. Sou feliz e agradecida ao universo por estar saudável, ter me redescoberto profissionalmente depois de uma longa pausa por poder vivenciar os primeiros anos de minhas filhas com toda a intensidade possível e atualmente não preciso de mais nada. Me perguntava então porque o desânimo, porque a leve sensação de insatisfação e angústia que têm acompanhado. Não encontrei outra resposta senão o peso que a negatividade de uma pessoa mal resolvida  (no ciclo de trabalho) influencia meu estado de alma e faz com que eu me sinta cansada e desanimada. Me pergunto se individuos deste genêro são justos consigo mesmos e com as pessoas ao seu redor: Lançar a própria amargura e frustração sobre quem estiver por perto! Com certeza todos nós já passamos por situações semelhante e infelizmente não estaremos livres delas num futuro próximo ou distante, dai esta necessidade da capacidade e ignorar/ congelar energia negativa. Meu questionamento ainda se refere ao „como“. Embora já tenha lido muito a respeito e tentar aplicar alguns métodos „zens“, ainda me deparo com o problema. Alguém conhece realmente um método eficaz?

 

Beijos e muita energia positiva para você,

que me lê!

Share This:

„Pedra no sapato“

Sonntag, 14. Januar 2018

Sim, vivenciamos a todo vapor o ano novo. Desculpem-me se não escrevi nenhuma mensagem de natal ou de desejos de feliz ano aqui ou em qualquer rede social. Estive muito ocupada com as pessoas que estão por perto de mim e que não tem acesso à redes socias ou nem sequer conhecem o significado do termo „mídia“, a

vector illustration of green clover picture

qual comparo com cada vez mais frequência à um balão vazio rodopiando por ai, sem rumo, nem eira  e nem beira. Algumas vezes busco, nas horas de descanso,  mensagens com substância e nem sempre encontro. O vazio da aparência me sufoca. Ando nestes últimos tempos  me redescobrindo como eu mesma. Me sinto quase que nua perante algumas análises de mim mesma, do mundo que me cerca e do mundo de forma generalizada. Me percebo muitas vezes como uma „pedra no sapato“ das pessoas com as quais convivo, o que me trás muitas vezes a pura sensação de desconforto. Eu gostaria de simplesmente estar representando o meu papel de „pessoa“ neste mundo, com todas as suas habilidades, marcas, sucessos, insucessos e incapacidades, mas o dia-a-dia me atrai para profundas reflexōes sobre o destino de pessoas marcadas de solidão e incompreensão. Uma luta se trava dentro de mim sobre como não sair da minha própria zona de conforto e comprar brigas que não são as minhas.  Acabo me envolvendo nestas batalhas, nas quais nem sempre saio ganhando. No entanto me sinto feliz ao perceber que sou capaz de abalar algumas estruturas e  a noite colocar a cabeça no travesseiro e dormir. A paz na consciência não tem preço. Simplesmente estar de bem conosco mesmos significa qualidade de vida.

Sim, é ano novo! Sim, são novos e velhos desafios! O teatro político, econômico e social invade nossas vidas através dos meios de comunicação, mas no fundo o que conta mesmo são nossas batalhas pessoais e cotidianas. Desejo para você, de coração, muita força, saúde e persistência para a luta diária. Persiga seus sonhos, insista em suas qualidades e não desista jamais de suas verdades mesmo que se sinta muitas vezes uma pedra no sapato das pessoas. Independente de anos novos ou velhos persista em suas positivas convicções de sociedade, de mundo. Vale a pena!

Beijos!

Uma semana espetacular!

Share This:

Desafio/Uma mensagem

Freitag, 13. November 2015

SAM_1437-001

Share This:

Antônimo/Anti-ânimo

Mittwoch, 11. Dezember 2013

"Dance como se ninguém pudesse te ver. Ame como se seu coração nunca houvesse se quebrado. Cante como se ninguém pudesse te ouvir e viva como se não houvesse um amanhã."

Vazar-se da sensibilidade.

Transformar o coraςão em pedra.

Acercar-se de muros.

Livrar-se da capacidade de sorrir.

Tapar os poros de cimento.

Alimentar-se da ganância.

Crer em nada.

Esquecer-se de observar o fascínio diário do nascer e do pôr do sol.

Desviar os olhos do olhar interrogativo de uma criança.

Não ter  a capacidade de tentar movimentar-se no ritmo de uma música.

Não saborear a delícia da água escorrendo pelo corpo e através da garganta.

Não se alegrar com o  milagre da sonoridade da própria respiraςão.

Fugir do calor aconchegante da pele de suas crias.

Não ter tempo para a felicidade.

Existem possibilidades mais deprimentes?

Beijos.

Share This:

Uma experiência única…

Montag, 10. September 2012

4 meninos bem educados, discretos, charmosos, pacientes, simpáticos e muito competentes!

foi a que eu vivenciei na última quinta-feira, quando então tive o prazer de receber em minha casa uma visita surpreendente – uma das equipes de uma rede de televisão – SWR – esteve aqui por cerca de duas horas. Nós conversamos bastante sobre alguns aspectos pessoais da minha vida, sobre minhas atividades cotidianas, sobre Mermuth, sobre o Brasil e principalmente sobre História Alemã. Em funςão do atual projeto de trabalho deles – Mermuth caiu aleatoriamente no roteiro de filmagens. A rua onde moro foi escolhida por Lony – nossa prefeita. Ela a escolheu por considerá-la interessante no contexto da vila.

Há duas semanas Lony subiu correndo as escadas daqui de casa, o que me surpreendeu um pouco, pois costumamos sempre telefonar antes de tocar a campainha de uma casa. No entanto,  para minha surpresa maior Ela tinha em mente me perguntar se eu teria um tempo para uma entrevista com uma equipe de TV. Logicamente minha primeira pergunta foi sobre o porque Mermuth estaria em foco numa rede de televisão já que não temos qualquer novidade por aqui. Ela me informou que Eles estavam trabalhando em Hunsrück e por acaso Mermuth apareceu no roteiro. Como consequência uma das ruas da vila deveria ser nomeada e nesta rua algo de interessante deveria ser pesquisado, averiguado e filmado para passar a ser parte da programaςão do canal no dia 25.09. 12.

Bem, a minha rua é composta  por algumas construções seculares e interessantes, mas pessoas também estavam no foco de interesse do chefe da equipe – Babst, o qual foi informado por Lony que aqui morava uma brasileira engajada em atividades esportivas/artísticas  para crianςas e tão interessada em História Alemã que escreveu um livro sobre uma fase da mesma. Basicamente foi este o motivo pelo qual dias depois da visita de Lony eu recebi uma chamada telefônica de Babst – Ele gostaria de saber se poderia me visitar para conversarmos mais sobre o meu interesse por História, livros e minha vida por aqui. Logicamente eu fiquei feliz por seu interesse em minhas atividades, quem não ficaria? Logicamente  a minha resposta à sua pergunta foi positiva, ainda mais considerando a sua simpatia permeada por muita diplomacia e interesse pelo meu principal Hobby. Marcamos sim uma entrevista para a quinta, 10 horas.

Neste dia, eu acordei muito cedo pois tinha muito o que preparar. Tinha conversado com Eles no dia anterior e os intimei a tomar café da manhã aqui. A princípio recusaram com veemência a minha intimaςão afirmando que estavam aqui só para trabalhar. No entanto eu com minha hospitalidade mineira os convenci que estar bem alimentado faz parte de um bom trabalho. Assim depois da primeira etapa do dia de trabalho deles aceitaram fazer pausa na minha cozinha para um lanche, se abstiveram de café, Seckt e caipirinha, mas aceitaram água e suco (bons meninos!).

Para terminar tenho que admitir que eu estava muito  confusa até tomar uma taςa de Rotkäppchen. Depois minha timidez diminuiu um pouquinho e minhas ideias clarearam mais ou menos. Eu estava sim preocupada em fazer uma figura razoável. Aqui correu tudo muito bem, não me preocupei muito com o buraco negro que representa uma câmara e contei com a ajuda dos 4 meninos que sempre me diziam com muito tato como eu deveria me comportar ou como esconder os cabos do microfone. Agora quanto ao resultado da aventura em frente às câmaras só mesmo no dia 25. Não tenho porém qualquer expectativa super positiva, como escrevi – fazer uma figura razoável era a minha pretensão e sobretudo poder ser eu mesma além dos nervos.

Beijos e linda semana!

Share This:

Viver=Dádiva=Desafio

Samstag, 15. Oktober 2011

Wir Sind Am Leben – Nós estamos a viver/ Nós estamos vivendo/Nós estamos na vida
Hast du alles probiert? Você já provou de tudo?
Hast du alles versucht? Você já tentou tudo?
Hast du alles getan? Você já fez tudo?
Wenn nicht, fang an! Quando não, comece!

Hast du wirklich gelebt? Você realmente viveu?
Hat deine Welt sich wirklich gedreht? Você realmente revirou seu mundo?
Hast du alles getan? Você já fez tudo?
Wenn nicht, fang an! Quando não, comece!

Was willst du sagen? O que você quer dizer?
Wen willst du fragen? O que você quer perguntar?
Was willst du erleben. O que você quer experimentar?
und was willst du geben? E o que você quer doar?
Wer gibt dir den Frieden. Quem te oferece paz?
und was ist liegengeblieben? E o que ficou por fazer?

Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão.
Keiner wird dich zerstören. Ninguém vai perturbar você.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Weil dein Herz noch Feuer fängt. Porque o seu coraςão ainda encendeia.
Weil dein Herz die Liebe kennt. Porque o seu coraςão conhece amor.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben

An was willst du glauben. Em que você quer acreditar?
oder glaubst du an dich? Ou você acredita em você?
Wie oft wirst du betrogen? Quantas vezes você quer enganar?
Wie oft belügst du dich? Quantas vezes você quer mentir para você mesmo?
Wieviel Türen wirst du öffnen? Quantas portas você quer abrir?
Welches Schloss knackst du nie? Qual fechadura você nunca consegue destrancar?
Wie oft kannst du widerstehen. Quantas vezes você pode levantar de novo?
und wann gehst du in die Knie? E quando você vai cair de joelhos?

Warum wirst du weinen. Por que você vai chorar?
und wie oft bleibst du stumm? Qauntas vezes você fica teimando?
Und für wen wirst du beten, E quando você vai rezar?
weisst du wirklich warum? Você sabe realmente por que?
Und bei wem wirst du schlafen E na companhia de quem você quer dormir?
und vor wem rennst du weg? E de quem você corre para longe?

Ich kann deinen Herzschlag hören, Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão,
keiner wird dich zerstören, Ninguém vai perturbar você.
Du bist am Leben. Você está vivendo.
Du bist am Leben
Weil dein Herz noch Feuer fängt. Porque o seu coraςão ainda encendeia
Weil dein Herz die Liebe kennt. Porque o seu coraςão conhece amor.
Du bist am Leben
Du bist am Leben

oh oh oh…

Und hast du dich verlaufen, E você se perdeu.
ich bin da, bring dich nach haus‘. Estou estou aqui, levo você para casa.

Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão.
Keiner wird dich zerstören. Ninguém vai perturbar você.
Du bist am Leben
Du bist am Leben

oh oh oh…

Wir sind am Leben
Wir sind am Leben

Ich kann deinen Herzschlag hören. Eu posso ouvir as batidas do seu coraςão.
Keiner wird uns zerstören. Ninguém vai nos incomodar.
Wir sind am Leben. Nós estamos vivendo.
Wir sind am Leben
Weil unser Herz Feuer fängt. Porque os nossos coraςões incendeiam.
Weil unser Herz Liebe kennt. Porque os nossos coraςões conhecem amor.
Wir sind am Leben
Wir sind am Leben

oh oh oh…

Composiςão: Peter Plate – 44, neto de um diplomata alemão. Nasceu em Nova-Delhi. Ficou conhecido no país em 1991 como integrante do dueto pop Rosenstolz (AnNa und Peter). Ficou por dois anos (2009-11) afastado do trabalho – vítima de Burn-out. Perdeu os sentidos em uma de suas últimas apresentaςões ao vivo, totalmente desgastado por crises de depressão e ataques de pânicos, os quais há muito tempo tentava driblar para não se afastar dos palcos. Há poucas semanas tivemos o prazer de conhecer o novo trabalho do dueto – „Wir sind am Leben“, o qual festeja a vontade de viver e a superaςão dos medos. Medos que nos impregnam mais frequentemente do que gostaríamos…
Beijos e lindo fim de semana!

Share This: